Comi a Mãe Safada da Minha Aluna

Me chamo Ricardo e sou formado na área de Língua Portuguesa. Quando este fato aconteceu atuava como coordenador administrativo numa escola municipal, mas com clientela classe média alta. Gosto de ser professor. Encaro minha profissão com muito afinco e zelo, primando sempre pela boa conduta. “Linha dura” quando necessário, mas, na maioria das vezes, despojado e brincalhão, descontraído e atencioso, e sem vanglorias, desperto na garotada uma espécie de “idolatria”. Confesso que, algumas moças até confundem as coisas, disparam algumas cantadas, mas isso não me atrai. Para mim a educação é coisa séria e não dá para misturar. Até porque, gosto mesmo é de mulherão, com experiência e conteúdo. Sou jovem e, depois de ter ficado viúvo, por opção moro sozinho numa casa grande e espaçosa, muito bem projetada e arquitetada por mim e minha falecida esposa, também professora, que herdara dos pais uma propriedade rural. Sem nenhum traquejo para a lida do campo, resolvemos vender o imóvel, construir nossa casa, comprar um bom carro e aplicar o restante do dinheiro.
Mas deixa de muito papo e vamos ao que interessa! Em decorrência de algumas notas baixas fui procurado por um grupo de estudantes, ex-alunas minha que, sabendo de minha formação, perguntaram-me se eu poderia ajudá-las dando aula particular. No início, achei que fosse brincadeira, disse que não tinha interesse, pois precisava de um tempo livre para meu estudo pessoal, por pleitear um mestrado na Federal. Relutantes não se deram por vencidas. No outro dia, lá estavam elas na porta de minha sala acompanhadas pelas respectivas mães na tentativa de um convencimento. Depois de muito conversar e, análise dos prós e contras, resolvi aceitar o desafio, mas não sem antes estabelecer algumas condições. Que as aulas acontecessem em minha casa e que as garotas sempre tivessem um responsável por companhia, para evitar falatórios e desgastes de minha imagem.
Com o acordo firmado, na semana seguinte nos reunimos para um apanhado geral, um diagnóstico que pudesse nortear os trabalhos. E fui à luta.
Com o passar do tempo comecei a notar que uma das mães, sempre fizera questão de acompanhar a filha e suas respectivas colegas nas aulas. Tratava-se de Hérika, mãe da Simone. Uma morena estonteante! Alta, cabelos cumpridos e lisos, lábios carnudos e dona de um corpo de deixar qualquer homem maluco. Muito séria e sóbria, nunca realçara suspeita de interesses, que não o da educação de sua filha. Mas, com o passar do tempo, começamos a flertar e nos olhávamos diferente, sem nunca trocar uma palavra sobre o assunto. Numa tarde após a aula, Hérika me ligou repentinamente dizendo que esquecera sua bolsa em minha casa, e se eu poderia passar lá para buscar. Prontamente, respondi que estava tudo bem. Sem malícia segui para uma chuveirada. Enquanto me banhava, percebi-me tentado a me tocar imaginando as carícias da Hérika e comecei a me masturbar. Ao sair do banho, deitei-me no sofá para distrair um pouco vendo TV e sorrateiramente adormeci. Fui acordado ao som do interfone que insistentemente chamava. Levantei irritado e sem atender, segui de roupão mesmo até o portão, pronto para esbravejar, pois pensava ser obra da molecada da rua. Qual foi minha surpresa, quando ao destravar o portão, percebi ali em minha frente, uma mulher maravilhosa, num vestido vermelho, colado em seu corpo e com um perfume que só de sentir, me embriagava. Era Hérika, que perguntando se podia entrar, já foi entrando. Dizia ter vindo buscar sua bolsa. Ela estava muito estranha; trêmula. Chamando-a para sentar, e lhe oferecendo algo para beber já foi logo disparando:
– Quero sim sentar. Mas em outro assento.
Me fiz de desentendido. Disse-me então:
– Chega de galanteios e elegância! Quero mesmo, é ser sua puta, neste instante! Ao me dizer tais palavras, partiu para cima de mim sem mesmo dar tempo de pensar. Começamos nos beijar ardentemente.
– É disso que estou precisando! Respondeu-me.
Peguei-a no colo e levando-a para cama com carinho, fazia-lhe ameaças dizendo que ela ia se arrepender de ter ido à minha casa. Disse-me então que, ao contrário, não se arrependeria de ter rompido o silêncio e o pudor, para ter bons momentos de prazer comigo. E abrindo meu roupão, iniciou um maravilhoso sexo oral. Sugava e chupava tentando colocar tudo na boca, mas se engasgava e parava, falava besteiras e começava de novo. (Não sou nenhum superdotado, mas, com meus 20 cm de pica, muito carinho e criatividade, consigo levá-las à loucura na cama). Parecia ter tempo que não via um pau!
Após ter recebido um gostoso e longo boquete, foi a minha vez de lhe dar um pouco de prazer. Comecei me livrando de suas roupas e segui para os seios. Lindos e durinhos fui mordiscando e lambendo, descendo devagar, dando um verdadeiro banho de língua, até chegar à sua grutinha, limpinha e perfumada. E para meu deleite, um clitóris saliente pedia para ser chupado.
Depois de muito chupá-la, minha fêmea parecia possuída, e me atirando na cama foi introduzindo meu cacete em sua bucetinha, apertada e faminta. Foi sentando em minha vara e logo estava a cavalgar. Já suando bastante, pediu-me para ligar o ar condicionado, pois queria muito mais. Como percebi seu jeito decidido e forte de ser, não me esforcei para conduzir nossa foda, deixei que ela me levasse. Resolveu então continuar sentando em minha pica, só que agora de costas para mim. Depois permaneceu na posição do “frango assado” e falou-me para possuí-la por completo. Estranhei, pois a cada maneira que ficava, dizia-me ter um orgasmo, contudo se conservava assente e a querer mais pica, como ela mesma narrara.
Já estava que não me aguentava, ansiando gozar gostoso, mas me mantinha firme. Queria mesmo era “causar”, mostrar minha potência e dar-lhe muito prazer. Entretanto, quando ficou de quatro e me ordenou que a penetrasse com força, não resisti e explodi num gozo maravilhoso, jogando um mar de porra em sua buceta. Ela ainda mandou que segurasse, pois desejava sentir o sabor de minha gala, mas eu queria mesmo, era curtir aquele momento e dispersar cada gota de meu líquido em sua buceta quente e insaciável.
Pedi um tempinho para me recompor e ela reclamando que não parava de escorrer porra de sua xoxota. Daí seguimos para o chuveiro, onde com cumplicidade, um lavava o outro. Logo estava ela com a boca em meu cacete de novo e eu com três dedos socados em sua buceta. Virou-se de costas e começou a esfregar aquela bundona em mim. Não sei se ela queria ou se foi só perversão minha mesmo. O fato é que em poucos instantes lá estava cutucando literalmente seu buraquinho traseiro. No começo resmungou um pouco, mas cedeu, e eu com um, depois dois dedos dentro de seu cuzinho num movimento de vai-e-vem. Apressei-me em retornar ao nosso leito de prazer, e ela meio relutante dizia querer continuar ali. Continuamos nosso “rala e rola” até que ela me puxando pela pica, levou-me para cama. Chegando lá, pôs-se e me chupar mais uma vez. Fizemos então, um 69 de arrepiar. Em seguida, olhando em meus olhos disse que era para lhe dar um pouco de prazer anal, mas ainda queria que eu gozasse em sua boca. Levantei-me, peguei um pouco de óleo lubrificante e untei seu buraquinho. Depois vesti meu pau com uma camisinha e fui preparando-a para receber meu membro em seu rabo.
Foi para beira da cama. A cabeça serviu de apoio e com as mãos abriu a bunda. Recomendou-me ir devagar. Com muito jeitinho fui acertando afim de que não sentisse dor, mas prazer. Logo estava com meu caralho fincado até os bagos em sua “entrada USB”. De repente começou a se mexer e a me xingar. “Vai desgraçado, não era isso que você queria, come meu rabo, mete no meu cú”. E eu socando com pressão no cuzinho dela. Seu poder de persuasão era tanto, que resolveu sentar com o anel de couro em minha rola. Rebolava e gritava que doía gostoso. Viramos de ladinho e segui bombando gostoso em seu buraquinho. Permanecemos com nossa fudelança, e comecei dar sinais de um novo clímax. Ficou na posição clássica, mas clamou por continuar tomando no cú. Logo vi que ela chegara a mais um orgasmo e eu me segurando, pois queria encher sua boca de porra. Passado o gozo de Hérika, tirei o pau de dentro do seu rabo. Tirei também a camisinha e ela faminta, veio sentir o sabor de meu leitinho. Lambeu, chupou e sugou até a última gota. Feito isto, com a cara mais safada do mundo, engoliu tudinho.
Depois de se recuperar um pouco seguiu mais uma vez para o banheiro e, trancando a porta ficou lá por alguns minutos. Quando saiu já estava tomada banho e pronta. Vestiu sua roupa e eu curioso perguntei como seria. Ela pegando seu celular me disse que ligaria para Samira, sua amiga taxista que a levaria onde deixara seu carro. E respondeu- me, ainda:
– À noite meu corninho chegará cansado, mas vou atacá-lo para mais uma fodinha, para que ele não perceba nada nem desconfie de sua mulherzinha. Quanto a nós… Eu gostei de sua performance, e quando me der vontade eu apareço.
O interfone tocou, era Samira que já esperava. Ela me deu um beijo e partiu, e eu fiquei a pensar quão verdadeira é aquele pensamento que diz que a mulher tem que ser uma dama na sociedade, mas uma puta na cama.
Peço desculpas se me alonguei, é que sou muito detalhista. Já estou preparando o próximo relato. Abraços a todos.

Sexshop
Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.