Transei gostoso com a mãe safada do meu amigo

já realatei alguns contos anteriores aqui no site e hoje tomei a liberdade em compartilhar à experiência que vivi ainda na adolescência.
Por volta dos meus 15 anos, apesar de ser um garoto extrovertido e descolado, ainda era um pouco tímido em relação à mulheres, já havia tido alguns namoricos e precocemente já havia perdido minha virgindade.
mas cá entre nós… foi algo absurdamente normal, talvez pelo fato de eu ser muito novo na época(13 anos) ,não foi algo que me entusiasmou, eu era muito inexperiente, essa era a verdade.
Desde meus 10 anos de idade, tenho uma relação de amizade com um amigo chamado Julio, amigo mesmo, como se fosse um irmão, frequentamos à casa um do outro, estudavamos juntos, éramos quase inseparáveis.
Júlio tem uma mãe chamada Rita, que sempre me tratou muito bem, sempre respeitosa e atenciosa comigo, Rita era divorciada e gostava muito de viajar, na maioria das viagens, pela proximidade sempre me levava junto com ela e com Júlio, seu único filho.
Me sentia muito bem perto deles e com o decorrer do tempo, melhor ainda perto dela…
Ao entrar na adolescência , meus pensamentos sexuais já começavam a aflorar de uma maneira louca e muito rápida. Como relatei anteriormente aos 13 anos perdi minha virgindade com a afilhada da minha irmã, que na época Tinha apenas 11 anos, ela costumava passar os finais de semana em nosaa casa, na época franzina, sem nenhum grande atrativo, gabi chamava atenção mesmo sendo muito nova, por já ser muito safadinha.
Nos dias de hoje é um espetáculo de mulher e se tornou uma negra maravilhosa (Mas isso é assunto para outro conto)..rs
A verdade é que éramos muito novos , inexperientes, tanto eu, quanto Gabi nem faziamos ideia do que realmente era ter prazer de verdade.
Com o passar do tempo fui me tornando cada vez mais próximo de Júlio e principalmente de sua mãe ,as viagens, passeios e jantares em sua casa eram cada vez mais frequentes, e com o passar do tempo fui sentindo uma atração muito forte por ela, porém sempre de maneira muito tímida e sempre respeitoso nunca deixei isso transparecer.
Rita agora na casa dos seus 40 anos era uma mulher muito elegante e sensual, usava roupas justas e vestidos curtos, era morena com um corpo que para muitos seria taxado como normal, mas para mim era a forma perfeita do Paraíso. seios volumosos e uma bunda enorme. Um corpo volumoso, que me chamava muito mais atenção do que os das menininhas da escola…rs
seus 40 anos eram facimente confundidos com 30, ela ficava deslumbrante em qualquer roupa, e chamava muito à atenção quando íamos ao clube ou a praia, a minha principalmente, perdi as contas de quantas vezes me masturbei imaginando aquela mulher.
Certo dia havia combinado que ao sair da escola me encontraria com julio para estudarmos para as provas finais daquele ano, não tinha computador em casa, minha família era de origem muito humilde e eu era bolsista no curso onde estudavamos, Júlio por sua vez, era de classe média alta, tinha acesso as coisas que eu não tinha. porém sempre foi prestativo e nunca se recusou a dividir nada comigo.
Chegando em sua casa nesse dia, (me lembro que era uma sexta feira), ao tocar a campainha, fui atendido por Dona Rita que me disse que ele havia ido passar o final de semana com o Pai, expliquei que havíamos combinado em fazer o trabalho juntos e que se ela não se importasse gostaria de usar o computador pois precisava acertar os detalhes do nosso cronograma de estudos, ela prontamente disse que sim, que eu ficasse à Vontade, que já era de casa.
Já acomodado no quarto de Júlio, por um instante viajei, e do nada comecei a imaginar fantasias loucas com aquela mulher, naquele dia ela vestia um shorts jeans bem curtinho e uma camisa regata básica daquelas de dormir, sentado em frente ao computador bastou um instante para dar margem as minhas fantasias com aquela coroa gostosa, logo já estava com o pau latejando de tão duro, só de imaginar aquela mulher. era algo involuntário, porém difícil de conter.
Foi quando dona Rita entrou no quarto me oferecendo um pedaço de bolo que havia feito, eu levei um grande susto, tentei disfarçar o volume na minha calça.
Mas apesar de tentar disfarçar, dona Rita havia percebido e com um sorriso meio amarelo no canto dos lábios me disse que já era tarde, que era melhor ir embora, mas que se eu quisesse, poderia voltar no dia seguinte para terminar o trabalho.
Após a vergonha que havia passado, não sei como voltei lá no dia seguinte, o trabalho era importante o cronograma tinha que ser feito, e com julio fora, me senti na obrigação de terminar, talvez por isso não tive escolha.
Retornei no sábado, D. Rita me recebeu no portão, cabelos molhados, provavelmente acabara de sair do banho, um vestidinho azul bem curto, porém folgado.
me contive mais uma vez, para não olhar para aquele corpão maravilhoso.
Já fazia algum tempo que me encontrva acomodado em frente ao computador, dessa vez concentrado em terminar o trabalho e vazar logo dali, já que a vergonha na minha cara era nítida.
pude ouvir passos subindo as escadas, era Dona Rita, adentrando ao quarto com duas latas de cerveja na mão…
Quer uma M… sei que vc e o Julinho andam bebendo ás escondidas…rs
morrendo de vergonha, com o olhar cabisbaixo, aceitei a cerveja mas continuei envergonhado.
Não precisa ter vergonha. Eu sei que vocês adolescentes, nessa época da vida fazem coisas escondidas, isso é normal. E sobre ontem não precisa se envergonhar, eu percebi o jeito que vc estava, é algo normal na sua idade.
Eu descendo um gole da cerveja como se fosse a única coisa à se fazer naquele momento, apenas me desculpei.
Sinto muito D. Rita, não deveria faltar com respeito à senhora e à sua casa.
Ela novamente sorriu e perguntou se ver pornografia no computador me deixava excitado…
ainda envergonhado , respondi que naquele momento não estava vendo nada no computador e que pensava em outra coisa. mas achava melhor não dar segmento à aquele assunto, ao mesmo tempo tentava disfarçar meu olhar em seu corpo, sentada na beira da cama, com aquele vestidinho, à visão daquelas pernas volumosas me deixava eufórico, era impossível disfarçar.
E Rita naquele momento já percebera o que havia me deixado de pau duro…
Vc estava pensando em mim M….? perguntou Rita com um olhar desconfiado.
mesmo envergonhado, Não tive como negar.
Sim Dona Rita há tempos venho pensando na Srå, sinto muito por isso. Não consigo evitar.
Ela levantou-se e ficando de pé ao meu lado me disse..
já percebi que vc me olha diferente há algum tempo, sei que você é o melhor amigo do meu filho e não estou te julgando, acho que é normal pela sua idade sentir curiosidade sobre essas coisas.
Dessa vez Olhando em seus olhos respondi de maneira firme..
Dona Rita, não sou mais virgem se é isso que a Srå pensa, tenho curiosidades sim, tenho curiosidades na Senhora, tenho pensamentos de desejos frequentes com você.
Ela abismada com o que ouvia me pediu para ir embora, disse que aquilo não era certo que eu tinha idade para ser seu filho.
Levantei-me, nesse momento ficando ao seu lado e com uma coragem que não sei de onde surgiu, peguei em sua mão, olhei em seus olhos, disse que não iria embora e tomei a ousadia de beija -la, ela ainda confusa com aquela situação tentou se esquivar, eu à contive, não era um homem formado, mas era forte o suficiente para manter aquela gostosa em meus braços.
Rita naquele momento encontrava-se confusa e balbuciava algumas palavras contrárias à toda aquela situação…
M…. Vc é um garoto..
Ai jesus…
Mas apesar de tentar se esquivar de minhas carícias, Rita enfim aceitou meus beijos ardentes e começou a tomar conta da situação, bancando à dominadora.
Deitei-me na cama, o pau estourando de Tesão, duro feito uma rocha.
Rita tirou seu vestido, não usava calcinha naquele momento, que visão maravilhosa, seios enormes que mal cabiam naquele sutiã, deitou -se por cima de mim e começou a me beijar, meu pau ereto roçando aquela buceta raspadinha, era a visão perfeita dos meus sonhos. Ao sentir que estava pronto, ela tomou conta de mim.
Tirou minha calça e me olhou nos olhos com cara de puta, a calça já estirada no chão, seus beijos agora são dirigidos as minhas coxas, as mãos deslizam pelo meu pau ainda coberto, Rita mostrando-se impressionada com o tamanho do volume, se empolga cada vez mais e levemente começa a mordiscar a cabeça da minha rola, as mordiscadas me deixam com mais tesão ainda…Puta Que Pariu que mulher é essa?!!
Nesse momento, já Deitado na cama, sem roupa alguma, sinto seus seios tocarem meu pau, sem o sutiã a visão deles era ainda maior. Rita colocou meu pau entre eles e sem pressa alguma , fazia movimentos como se o punhetasse, eu inexperiente vou à loucura. meu Pau enorme naquele momento, já ansiava por sua buceta, mas tive que esperar um pouco mais, Rita queria senti-lo todo na boca e o fez com vontade, a chupada é sensacional, a rola lateja, fica inchada de tanto Tesão, os movimentos da sua boca me fazem delirar, sua língua preenche cada centimetro das bolas ao tronco, sua língua passa pela cabeça da minha rola enquanto sua mão me punheta com movimentos demorados e sincronizados. O tesão é imenso e a vontade de gozar é evidente…Vou à loucura.
Ela sem parar de chupar, acena a cabeça como se desse permissão para que eu enchesse sua boca de porra. A gozada é forte.. me retorço na cama de Tesão, Rita engole todo meu cacete ainda com resto de porra, se delícia como se chupasse um sorvete num dia de calor intenso.
Queríamos mais. Rita se mostrava disposta à me sentir por inteiro e deitando-se de bruços, com um sorriso no canto da boca, e com uma voz de safada que me arrepiou dos pés à cabeça, me pediu…
Vem cá garoto, fode minha buceta, me fode gostoso.
Era tudo o que eu queria ter a visão daquela mulher volumosa de quatro naquela cama, foi uma das melhores coisas que vi na vida.
Eu agora já menos ansioso, mas com o Pau ainda muito duro, me aproximo daquela buceta molhadinha e coloco com vontade, sinto o Pau arrastar entre aquelas paredes molhadas, Rita geme muito de prazer com cada estocada que leva na buceta, ela guia meus movimentos, num instante me quer sentir aos poucos, em outro me quer voraz e com força.
Eu tbm vou à loucura com cada golpe que minha pica disfere naquela buceta já inundada de prazer, ela pede cada vez mais para intensificar os movimentos…
Ficamos naquela foda por um longo tempo, com muita vontade. eu colocava, e ela pedia…
Vai M… põem com força na tia…
fode com tudo…
Não para…Não para
issoooo issoooo…pqp eu vou gozar.
pqp eu vou gozar…
Minha pica sente-se inundar por aquela buceta, agora já encharcada de Tesão. Ela geme muito alto, eufórica grita de prazer,
Eu continuo à meter gostoso, bombando com muita vontade, sem parar e imprimindo força, não demora muito e é a minha vez de ver estrelas.
O jato de porra é muito forte, sinto sua buceta se contraindo, como se mastigasse minha rola todinha, naquele momento me senti realizado, me senti um homem de verdade.
Rita nesse momento acabada na cama do seu próprio filho me parabenizava…
Garoto, desse jeito vou mandar o Júlio todo final de semana para a casa do pai…rs
Naquele dia repetimos a dose algumas vezes e dormimos agarradinhos em sua cama.
Os anos foram passando e Desfrutei de tudo o que ela podia me oferecer até completar meus 18 anos.
Infelizmente. D.Rita foi morar na argentina com seu atual esposo e fiquei sem a vê-la desde então. Sinto saudades dela e do meu amigo Júlio.
E foi assim pessoal que transei gostoso com a mãe do meu amigo, espero que tenham gostado do relato.
Aproveitem as chances e gozem sem pudor