Realizando o Meu Desejo

Essa história é mais real do que muitos imaginam, não coloquei coisas que são costumeiras nos contos, coloquei somente o que aconteceu.

Bom sou casado a 2 anos, meu nome é Doug desde o tempo de namoro tive tesão pela minha sogra Marlene.

Uma morena linda com um corpo bonito, bundinha empinada seios médios, coxas e pernas lindas, uma mulher aparentemente calma mas que esconde um grande fogo pois seu marido deixa a desejar. Se aventurando com putinhas mundo a fora, deixa minha sogra sobrando em casa muitas vezes sozinha.

Sexshop

Nessa época, ela já havia me dado algumas indiretas, mas sempre tive dúvidas de que, se realmente fosse o que eu imaginava ou seria algo da minha cabeça, ela poderia estar brincando ou até mesmo me testando, mas eu nunca conseguia tirar os olhos daquela buceta desenhada em suas roupas apertadas, tenho certeza que ela percebia.

Eu e ela tínhamos muita intimidade sobre os fatos da vida, por isso sabia dos segredos do meu sogro e principalmente os dela, eramos muito próximos e conversávamos muito sobre tudo.

Isso desenvolveu um enorme tesão em mim porque eu sabia até como e onde ela fazia a depilação, tentei varias vezes fugir desses pensamentos porque afinal de contas ela poderia estar querendo só um amigo e eu era casado com a filha dela, mas, sempre acabava tentando espiar ela no banho.

Nunca conseguia ver ela peladinha sem roupa, só havia conseguido vela de calcinha, me masturbava muito lembrando desse dia.

Em determinada ocasião minha esposa foi a um compromisso de trabalho e meu sogro viajar com amigos a uma pescaria, e eu fiquei sozinho com minha sogrinha tesuda, pois minha esposa pediu que a fizesse companhia devido a nossa grande amizade.
Marlene alegou estar com dores e um pouco mal, sobrou para mim a missão de cuidar dela.

Pensei em tentar algo, em arriscar alguma coisa, precisava ter a certeza do que estava rolando, de uma forma em que se desse errado ela me mandaria a merda mas pelo menos não perderia sua amizade. Então decidi arriscar algo, ela amava uma massagem que eu fazia em seus ombros, eu começaria por aí.

Logo percebi que ela havia saído do banho, cheirosa e linda, vestida com uma camisola azul, estava pronta para dormir, pois, era tarde da noite.
Já haviamos jantado, pizza e um bom vinho!

Quando contemplei aquela morena meu pau endureceu na hora, eu tinha certeza que ela estava sem nadinha por baixo daquela camisola, sentado no sofá, puxei uma almofada pra ela não perceber o volume da minha bermuda.

Na poltrona sentadinha, camisola dando uma subidinha, as coxas lindas totalmente sendo exibidas sob a luz da TV, levantei e fui a cozinha.

Pensei em desistir mas porque não tentar!
Eu só podia estar ficando louco!

Retornei a sala parei atrás da poltrona comecei a massagem que ela curtia, prontamente ouvi um “adivinhou meus pensamentos, era tudo o que eu precisava antes de dormir”.

Aquela luz da TV revelava o que eu já sabia, olhos fitos os seios dela, sem sutiã, estavam de pé e meu pau também, pulsava na cueca.

Era o momento, agora ou nunca mais, aos poucos fui descendo as mãos, cada vez que descia aproximava mais dos seios dela, e com ousadia arriscando a vida, cheguei bem perto do começo dos seios, e ela?

Não falava nadinha!

Continuei a massagem, agora subi em um pedacinho bem pequeno do seio como se dissesse “desculpa não queria tocar aqui”, mas, repentinamente ela levanta e entra no quarto, eu estava cagado, e agora, to fudido ferrou tudo!

Logo a porta se abre, a sogrinha me convida para continuar a massagem no quarto pois ela tinha um óleo perfumado e queria massagem em todo corpo, topei na hora!

Ao me dar o óleo ela deita com a bundinha para cima na cama, tira as alças da camisola para o lado deixando de fora toda as suas costas tapando somente a bundinha, então comecei massageá-la com prazer.

Enquanto deslizava minhas mãos naquele corpinho tesudo, sou sincero, gozei na cueca, eu não aguentava mais tudo aquilo.
De raiva resolvi fazer o mesmo da sala, se aproveitar da situação, então, fui descendo em direção a bundinha cada vez mais perto destapando bem aos pouquinhos, quando vi que ela estava sem calcinha, meu corpo tremeu meu pau duro de novo (nem sei se amoleceu depois da gozadinha) e o mais interessante, ela não reclamou.

Naquele momento minha sogra olha para mim e me pede para massagear suas coxas eu prontamente como genro obediente não questionei e massageava com tesão suas lindas coxas parecia um sonho.

Então ela decidiu responder a minha ousadia, me elogiou como massagista e que seu corpo precisava de um tratamento assim a muito tempo, então falei do quanto seria capaz de fazer por ela, em outras palavras, saiu todo meu desejo pela boca.

Minha sogra levanta e senta na cama, eu não tirava os olhos daqueles seios lindos e durinhos apontando para mim:
– Agora termina, o quanto você seria capaz de fazer por mim?
– O quanto for necessário para você!

Foi a minha melhor resposta!
E então fui surpreendido, ela me falou que já havia sentido tesão mas tinha medo, estava claro que eu sentia o mesmo, então me aproximei e beijei sua boca, ela sussurrou em meu ouvido dizendo que estávamos indo longe demais, então mordi com carinho sua orelha e ela gemeu.

Nesse momento ela pega meu pau por fora da bermuda e me empurra para traz, logo ela deita na cama, sem pensar em nada, comecei a tirar minha roupa, agora seus olhos apontavam para meu pau moreno de cabecinha rosadinha, grossinho de 16cm. Com carinho deitei com ela, levantei a camisola para cima bem devagar deslizando a mão sobre as coxa, e deixei a amostra aquela linda bucetinha depiladinha, morena, com lábios escuros e carnudinhos, um grelinho rosadinho, todinha para mim.

Beijei a boca dela de novo, coloquei sua mão no meu pau duro e bem devagar fui tirando sua camisola, enquanto ela massageava bem devagar minha piroca dura como pedra, quando terminei de tirar tudo ela pediu para apagar a luz porque tinha vergonha, rapidamente chupei seus seios e ela gemia com muito tesão, seus biquinhos durinhos deslizavam na minha boca, minha língua tocava suavemente todo aquele espaço.

Enquanto sua bucetinha estava toda melecadinha sendo massageada pelos meus dedinhos, então o coração bateu mais forte pois não sabia que horas minha esposa chegaria, dane-se.

Uma bucetinha linda daquelas, melecadinha de tesão, eu precisava pelo menos sentir o gostinho, descendo com minha boca por aquele corpo delicioso cheguei a ouvir um para por favor mas ignorei e percorri toda aquela buceta com a língua, nossa, ela estava no ponto.

Com uma trilha sonora de gemidinhos e sussurros, as coxas apertaram minha cabeça, o corpo dela queimava sedento daquela gozada que não foi difícil e nem demorada, melzinho descia de dentro do buraquinho, era o momento de atolar tudinho e deixar a sogra gozar de novo.

Mas ela também queria mostrar seu talento, com a mãozinha quente massageava meu cacete, muito prestativa ela me deita na cama e coloca meu pau na boca dela, chupando a cabecinha toda putinha, que boca quente, que chupada espetacular, por um bom momento meu cacete virou seu brinquedo.

Então um pedido especial, sussurrou em meu ouvido dizendo:
– Coloca dentro querido faz um bom tempo que não sei o que é isso!

Ao ouvir essas palavras o mundo sumiu, fiquei em pé na beirada da cama, ela abriu bem as pernas, caralho que delicia de buceta, carnudinha todinha para mim.

Foi quando, ela gemendo baixinho como doida me puxando para junto dela, agarrado em suas coxas entre suas pernas, muito decidida, ela coloca meu pau na entradinha da bucetinha, que sem demora e nem dificuldade desliza para dentro.

Não foi preciso força, bastou encaixar, deslizou todinho bem devagar abrindo aquele caminho apertadinho e quentinho.
De novo beijando sua boca, meu peito apertando seus seios, meu pau entrando e saindo bem devagar, cada vez mais melecadinho.

Seu corpo se contorcia suas mãos que me agarravam agora puxam o lençol seu abdômen forçava sua respiração, minhas mãos apoiadas na cama me dando apoio para acelerar um pouco mais a transa, ela estava muito ofegante, e com sussurros longos abraçada em mim sobre seu corpo, acabou gozando com meu pau completamente atolado dentro dela.

Em meu melhor sonho, nunca havia imaginado daquela forma, eu não queria que terminasse, mas já estava segurando, me controlando para não gozar.

Logo, ela veio por cima, então pegou meu pau duro direcionando até a buceta deslizou a cabecinha na entradinha do cuzinho antes e sentou gostoso devorando meu pau.

Naquele momento estava realizando meu maior desejo sexual ao ver aquela buceta se abrindo com meu pau atolado nela subindo e descendo até entrar tudinho, com direito a reboladinhas na minha pica dura.

Gostosa gemia baixinho, acelerando bem devagar até que começou a meter rapidinho, sussurros de prazer eram espalhados pelo quarto.
Apertado por suas pernas, deixando sua bucetinha mais pressionada ainda, ela cavalgava gostoso sem parar, nossa, ela tremia como se nunca tivesse trepado assim.

Tudo que eu ouvia eram seus gemidos e o barulhinho da buceta molhada, sentada em cima de mim, sentindo aquela bundinha, agarrada em meus braços, beijando meu pescoço, eu estava prestes a gozar.

Então, agora, deitada de ladinho, veio de costas para mim, agarrei seus seios e beijava seus lábios enquanto mais uma vez meu cacete era arrumado para entrar, que atoladinha foi aquela, rebolando sua bundinha no meu cacete, enquanto eu metia gostoso, de ladinho eu enlouquecia beijando aquela morena, não queria soltar aqueles seios por nada.

E só o que se ouvia bem baixinho no quarto, era o gemido de prazer da minha sogra que louca para gozar de novo, fechou as pernas de ladinho nele até sentir minhas bolas na bunda, enquanto eu agarrado em seus seios não tinha mais como continuar, era muito tesão envolvido.

Logo ela começa a remexer meu pau dentro da buceta delirando e solta um gemido de prazer junto com muito gozo da sua bucetinha que apertava meu cacete de novo.

Peguei meu pau todo melecadinho e aproveitei a situação e a posição, encostei a cabecinha na entradinha do cuzinho e aí fui surpreendido pela sogra:
– Só esfrega querido nada mais!
Sussurrei em seu ouvido:
– Deixa só a cabecinha vai!

Prontamente ela pegou meu pau e colocou na posição e bem devagar ok!.
Quando senti que a cabecinha entrou, fui traído pelo meu nervosismo não acreditei naquilo era surreal demais para um dia só, sem conseguir aguentar tirei para fora na expectativa de segurar um pouco mais, rapidamente ela tenta colocar de novo, mas não deu tempo, explodi com o pau no meio da sua bundinha, agarrado em suas coxas, enchendo a sogrinha de leitinho quentinho, ela encaixou o pau dentro da buceta e assim ficou até amolecer, eu delirava!

Quando relaxamos paramos para analisar o que havíamos feito, sem rancores nem magoas conversamos muito, ficamos um pouco envergonhados.

Ela disse que nunca havia gozado duas vezes e que eu não precisava me preocupar que eu podia gozar onde quisesse no corpo dela mas nunca deveria negar um pau duro quando ela precisasse.

Nos arrumamos e ajeitamos o quarto, quando minha mulher chegou, estava tudo em ordem, sem desconfianças, sem dúvidas, meu desejo de comer a sogra acabou virando rotina e essa foi nossa primeira vez.

Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.