Meu primeiro casal liberal

A história que vou contar e verídica, sóvou mudar os nomes para preservar identidades. Meu nome e Carlos, desde meus 14 anos quando comecei minha vida sexual me identifiquei muito com a vida e comportamento liberal com o sexo, comecei a me interessar por mulheres e casais liberais pois isso me dava muito prazer, eu já com meus 18 anos com minha vida bem ativa sexualmente já me considerava um voyeur, vivia com os ouvidos atentos e atenção a tudo ao meu redor quanto o asunto era sexo, erotismo, e exibicionismo, ao lado de minha casa moravam um casal já de meia idade com mais ou menos seus 35 anos que para mim já eram coroas, um dia de manhã acordei com gritos e susurros e gemidos que se cualificavam de umas boas trepadas, minha visinha bem gostosa pedia gritando que

 

enfiace fundo aquela rola no cu, dava pra se ouvir do meu quarto pois minha janela quase encostada na janela do quarto do visinho, com curiosidade me enchi de coragem saindo lá fora pelo corredor não me aguentando de tesão pulei o muro do vizinho para espiar pela janela deles, com geitinho subi em cima de uns tijolos para dar altura e me deparei com uma cena de tirar o fôlego, vi minha visinha de quatro toda arreganhada na beirada da cama e seu marido Antonio em pe bem posicionado socando a rola no cu dela que gemia de praser, eu na euforia, nervosismo e tesão tentei tirar meu pau que estava duro pra fora do short pra bater uma punheta olhando aquela cena, me desequilibrei de em cima do tijolo que cheguei a cair fasendo barulho, assim meu visinho olhou pela janela e me flagrou com meu pau duro na mão que com medo sai correndo sem dar tempo a ele diser nada, nossa!! aquela manhã foi meu pior dia de minha vida pois não sabia oque iria acontecer depois, lembro que fiquei o dia todo dentro de casa sem dar as caras na rua com medo de que meus visinhos me visem. Quando chegou a noitinha lá pela 19 horas meu visinho me chamou para conversar, fui já preparado para ouvir tremendo esporro, mais foi logo me comprimentando com educação e me perguntando que o que eu tinha visto pela manhã eu tinha comentado com alguem, falei que não, que fiquei em casa o dia todo, meu visinho me perguntou se o que eu tinha visto eu tinha gostado que pelo que ele viu eu estava me masturbando e pediu para eu responder a verdade sem medo que ele não iria me repreender, ai com coragem respondi que sim, que gostei e que por isso ei ia bater uma punheta que para mim e como se estivese vendo um filme porno, ele riu e me perguntou o que eu achei da atuação da sua esposa se eu tinha gostado, respondi que sim, ele me contou que com sua esposa eles faziam de vez equando uma festinha privada com amigos pra curtir um gostoso sexo e troca de casais e me perguntou se eu gostaria de participar, eu gaguejando e nervoso respondi que sim, ai ele de imediato me convidou para sua casa para conversarmos melhor ele sua esposa e eu, assim que entrei sua esposa estava no sofa da sala vendo tv bem a vontade com uma blusinha fininha sem sutiã e curta com a barriguinha de fora, dava pra ver os bicos dos peitos bem pontiagudos quase furando a blusa e com um shortinho bem curtinho socado na bunda que dava pra perceber estava sem calcinha ela com o nome de Marta loirinha, baixinha de coxas grossas, pernas torneadas, bundinha arrebitada e uma coisa que adoro uns pesinhos lindos branquinhos, delicados unhas bem feitas com esmaltes de cor vermelha, Marta se levantou e veio logo me comprimentando com uma bitoca na boca que me deichou muito sem graça, e me dice para eu ficar a vontade, fiquei mesmo a vontade depois que seu marido me tranquilizou, Antonio já se prontificou a colocar um filme porno que era da sua preferencia, de uma mulher trasando com dois homens e foi logo falando que Marta sua esposa e vidrada nesses filmes, as coisas foi esquentando quando Marta sentada a meu lado foi logo colocando seus pes em meu colo e alisando meu pau por cima do shorte com aqueles pesinhos lindos e delicados, eu já fui logo alisando seus pes e minha piroca começou a endurecer, Marta se posicionou de juelhos entre minhas pernas e me alisando foi abrindo meu ziper, pegou no meu pau e se asombrou com meus 20 cm e grosso que já estava durão, no rosto dela deu pra ver a alegria e satisfação pelo sorriso de safada, ela com maestria começou a mamar e me batendo uma punheta com a boca, seu marido Antonio sentado em uma poltrona enfrente observava se deliciando vendo sua esposinha com a piroca de outro macho na boca, ele a incentivava a mamar e engolir toda minha piroca. Eu já estava doido pra experimentar aquela bucetinha daquela esposinha que estava agachada com a bundinha empinadinha se oferecendo, tirei toda minha roupa, e marta não largava meu pau e assim mesmo também se despiu, vi aquela bucetinha rosada toda melada e arreganhei toda chupando igual a uma manga, dando também chupãosinhos em suas virilhas, ela gemia e se retorcia toda vez que eu enfiava minha lingua toda em sua buceta e revesava minha linguadas no cusinho que a essa hora piscava de praser, Antonio foi logo disendo que ela estava pronta pra levar rola, me posicionei atras de Marta, ela na posição de quatro bem aberta fui penetrando lentamente naquela grutinha apertada que lambusada foi deslisando até entrar tudo, ela deu um gemido e pediu pra começar a socar que queria gozar muito no meu pausão, assim fiz dei estocadas fortes como ela pediu, agarrei pelos seus cabelos, eu a fudia com praser, ela rebolava e chamava o marido pra ver de perto a putinha dele levando uma picona lá no fundo da buceta, assim ela gozou umas tres vezes, assim seu esposo também gozou vendo sua esposa se deliciando na pica de outro macho, eu tendo aquela visão com a bunda da Marta toda arreganhada vendo aquele lindo cusinho rosado piscando, deu um tesão danado em fuder aquela grutinha que picava, alisei com carinho aquele cusinho, pedi a Antonio que arrumace um lubrificante, não tinham, então trouxe da cozinha um pote de manteiga oque Marta adorou ao saber que ia tomar no cu com manteiga bem lambusada, o propio marido fez questão de passar a manteiga no cusinho de Marta, ela gemia e rebolava se oferecendo doida pra levar pirocada no cu, Antonio me ajudou e ele mesmo abriu bem a bunda de Marta pra eu penetrar, botei a cabeça de minha piroca na beiradinha do cusinho de Marta e fui forçando a entrada com carinho no movimento leve de vai e vem, assim minha piroca foi abrindo sua gruta apertadinha e deslisando gostoso pra dentro, assim que enfiei toda minha piroca naquela bundinha ela começou a rebolar e gemer pedindo pra que arrombace equele cu, Antonio cheio de tesão vendo minha piroca grande e gossa entrando e saindo chamava Marta de putinha do corno, ela gemia e dizia que adorava dar o cu pra outro macho na frente do corno do marido, Marta pedia pra que eu socace forte no cu dela, ela gemia e quase chorando de praser se masturbando com minha piroca enterrada no cu soltou um gemido grande e gozou, e eu também não me aguentando gozei gostoso naquela bundinha branca com marquinha de biquine, uma delicia. Quando terminamos ficamos na cama os tres conversando sacanagem e cada um contando suas aventuras, foi tão bom que o casal me pedirom pra mim dormir com eles aquela noite, que delicia, tomei um banho e fui pra cama com Marta que dormimos agarradinhos, Antonio seu marido dormiu em um colchão no chão ao lado da cama, de manhã acordamos e fizemos outra brincadeira que depois eu conto, direi que fui amante fixo do casal durante tres anos, foi maravilhoso, hoje procuro otro casal para gostosas brincadeiras pois Antonio e Marta tiverom que se mudar para fora do Rio de janeiro e não os vi mais. Adoraria encontrar um casal para um gostoso relacionamento casual ou fixo, a amizade colorida e o que vale.

Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.