A masturbação do meu irmão

Quando abri a porta do banheiro e, enrolada em uma toalha felpuda me dirigi para meu quarto, vi que Paulo, acabava de entrar nele. Até aquele momento eu me encontrava só em casa, pois meus pais estavam em suas diversões e Paulo, até onde eu sabia estava com Lena em sua casa. Estava descalça e por isso não fazia nenhum barulho quando me acerquei da porta do meu quarto e pude ver o que se passava lá dentro. Parei por um momento, para ver o que estava por acontecer em seu interior e foi com estranheza e uma certa euforia que vi meu irmão abrindo a gaveta do armário, onde eu guardava minha peças intimas e de lá retirar uma calcinha, que levou e diante da penteadeira, borrifou o meu perfume favorito, na peça e depois com ela nas narinas se jogou na minha cama. Me ocultei mais um pouco para ver até onde ele iria chegar e para minha surpresa, o vi abrir a calça e expor seu pau, já plenamente duro, que passou a alisar de forma lenta, mas que foi aumentando de intensidade e se transformou em uma punheta frenética. Mantinha a calcinha no rosto e manipulava a vara sem interrupção. Por instantes fiquei ali olhando de meia cara para ver se ele ia chagar ao fim, mas uma angustia tomou conta de mim quando ouvi que ele estava falando meu nome e me chamando de gostosa e de seu amor. Aquilo, mexeu com meu âmago. Sabendo que ele estava prestes a jorra seu esperma, eu entrei no quarto e me aproximei da cama. Me inclinei sobre seu pau, sem tocar em nada e quando Paulo gritou e os primeiro jato de porra fora lançado, ele veio direto para minha boca, ai eu descia a mesma tomando conta daquela peça maravilhosa que como um vulcão em erupção, continuou expelindo aquela “lava” aquecida e cheirosa, apesar do susto que Paulo tivera ao sentir o seu pau abocanhado. Com uma mão em seu peito, o empurrei de volta ao leito e continuei a chupa-lo, até que nada mais saísse pela fenda uretral. Depois de deixar seu pau sequinho, fui para junto do rosto de Paulo e trocamos um intenso beijo, onde o seu sêmen, estava presente no odor que vinha da minha boca. Deitada com a cabeça em seu peito, eu brincava com os pelinhos que nele eram poucos mas, muito sedutor. Olhei para o rosto dele e levei um dedo até seu lábios, que ele beijou e eu sorri agradecida e ao mesmo tempo encantada com aquele ser que estava ali ao meu lado e que me dava tanto prazer físico, como emocional.
__Por que não esperou? Poe que teve que se masturbar com uma coisa que não tem o que você gosta dentro dela, sabendo que poder me ter a qualquer hora em qualquer lugar?
__Não sabia que você estava em casa. Achava que tinha saído, já que não gosta de ficar sozinha em casa. Se soubesse que você estava no banho, com certeza eu não bateria essa punheta que você viu. – disse ele acariciando meus cabelos.
__Pelo visto, algo o deixou excitado. O que foi? Lena, que se fez de rogada mais uma vez?
__Não. Pode não acreditar, mas o simples fato de estar chegando em casa e sentir que tudo rescende a você, me deixa excitado e desta vez eu fui muito além e queria sentir o teu cheiro mais próximos de mim, pois isso fiz essa criancice. – confessou, quase que envergonhado, ficando ligeiramente corado, dando-me a chance de goza-lo.
__Humm, meu bebezinho ficou com vontadinha da maninha, ficou? Deu tesão, cheira a minha calcinha perfumada?
__Como você sabe que…a quanto tempo você estava…porra Bia, você estava me observando e não teve a coragem de vir até mim? Por quê?
__Por pura maldade confesso e também por curiosidade de ver você fuçando as minha coisa e agindo como um adolescente, menino de escola, que procura uma calcinha suja da irmã, as vezes até da mãe, para levar para o banheiro de a cheirando se masturbar. Sabia que me senti muito satisfeita por ver que você ainda tem tesão por mim?
__Maldosa. Vou ter tesão eternamente em você, por mais que você fique privada de ser minha.
__ E quem vai ter essa ousadia de me privar disso aqui? – disse segurando em seu pau que estava quase que de prontidão.
__Ora, um dia você vai casa, ter seu marido, seus filhos e ai tudo acaba.
__Só se for para você. Se não me quiser mais, mesmo, caso contrario estarei sempre a seu dispor para receber essa pica gostosa em minha boceta ou no meu cu, na boca nem se fala. Acha que ou deixar de querer-lo, só pelo fato de estar casada um dia? Nunca. Prefiro não casar se for o caso, mas não me furtarei de ser sua, quando você quiser. Adoro ser desejada e fodida por você, sabia? Homem algum me satisfaz como você.
__Nem nosso pai?
__Wagner?
__Tem outro?
__ Bem… ele representa para mim, uma parcela de um fruto proibido de se pegar. Gosto de trepar com ele, pelo calibre e o jeito carinhoso que tem de me possuir, que é colo ele fode mamãe, pois o vi em ação, lá na suíte, como lhe falei. Trepar com nosso pai é algo diferente, talvez, por não saber que ele me desejava, antes de você me alertar aquela vêz, lá na baixada Santista. Mas mesmo assim, eu acredito que não existe o mesmo entrosamento que existe entre eu e você, entende?
__Não, mas sei que você esta falando o que sente e por isso respeito.
__Respeito, isso que fazemos é muito respeitoso, pelo que me toca, não vejo nada de anormal em se ter a pica do irmão, ou do pai dentro da boceta da filha ou da irmã. Sexo para mim é sexo e pronto. Não tem nada forçado, não existe um assédio imoral, mas sim consensual e isso é o que basta. Qual a diferença do que fazemos ou do que eu faço, do que você fez o fazia com nossa tia?
__Na verdade eu não sei. Acho que com você foi muito mais emocionante e íntimo, que com ela. Titia era apenas uma mulher carente que precisava de uma pessoa para lhe suprir as necessidades que o marido não fazia questão nenhuma, de ser o apaziguador, do fogo que ela tinha entre as pernas.O grande problema, do meu envolvimento com ela, foi o fato da mesma ter agido quase que a seu modo, me tentando.
__Foi bom tocar nesse assunto que eu gostaria de saber como tudo aconteceu, você me conta?
__É pra já.
__Apenas espere um pouco que vou preparar alguma coisa para nós ficarmos nos deliciando enquanto você narra tudo sem perder uma virgula sequer, certo?
Me levantei, ainda com a toalha envolta ao redor do corpo, e sai do quarto para preparar algo bem gostoso para passarmos a tarde e quem sabe se não daríamos um bela trepada como grande final? ( continua )

 
Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.