Mamãe Tirou a Minha Virgindade

Meu nome é Marcelo, filho único, casado com a Helenita, descendente de orientais, pequena, branquinha e magrinha. Temos um filho chamado Igor. Mas hoje não vou falar de minhas experiências atuais e sim de como perdi minha virgindade e preconceito quanto ao incesto.
Na década de 90 não tínhamos a facilidade que temos hoje com a internet, para conseguirmos ver um filme pornô era necessário ser maior de idade, ir até uma locadora alugar um filme em VHS para podermos assistir. Eu como era menor de idade não podia alugar esse tipo de filme, mas tinha muita curiosidade e vontade de ver um filme pornô, assim como todos da minha época.


Meu pai tinha acabado de comprar um vídeo cassete e eu fui fazer uma ficha em uma locadora próximo de nossa casa onde trabalhava um colega de escola. Chegando lá abri a ficha e brinquei com ele dizendo que eu iria alugar um filme pornô para ver. Ele levou na brincadeira, mas disse que se eu quisesse ele dava um jeito. Acabei não alugando o filme pornô e levei qualquer outro filme do Van Damme, que na época era sucesso.
Chegando em casa com o filme fui logo colocar para assistir e todos estavam bem empolgados, pois era algo novo e moderno para época. Quando terminamos de ver o filme minha mãe faz um comentário de que gostaria de ver um filme pornô, já que não tinha visto ainda.
Me lembro de ter ficado um pouco constrangido com o comentário e tentei disfarçar mudando de assunto, mas ela insistiu e me perguntou se eu não conseguiria um para matar sua curiosidade. Meu pai não comentou e aparentemente estava bem tranquilo com o pedido da minha mãe.

Na época minha mãe, Lurdes, uma morena de cabelos lisos até a altura do ombro, seios médios e uma bunda bem feita, estatura média, gostava de andar em casa sempre com um short jeans apertado e uma camiseta, bem comum na época.
No outro dia fui devolver o filme que tinha alugado e perguntei para meu amigo se ele tinha mesmo como me alugar o filme pornô. Ele respondeu que sim, mas ninguém poderia saber, nem os nossos amigos de escola. Ele pegou uma pasta debaixo do balcão e eu comecei folear e ver diversas capas de filmes pornô, só aquilo já me deixou muito excitado, pois eu ainda virgem apenas batia algumas punhetas no chuveiro pensando al algumas garotas do colégio.
Não demorei muto e apontei qualquer um para ele que me entregou e pediu novamente para que não contasse para ninguém e que não falhasse na entrega que seria na segunda, pois tinha alugado o filme na sexta.
Chegando em casa disse a minha mãe que tinha conseguido alugar o filme que ela queria ver e que estava próximo ao vídeo cassete. Ela comentou que era para esperar meu pai para podermos vermos o filme. Naquele momento fiquei meio confuso, pois não tinha entendido se era para vermos o filme juntos ou para ela ver com meu pai.
Meu pai chegou do seu trabalho, por volta de nove horas da noite, tomou seu banho, jantamos e no jantar minha mão comentou que eu tinha conseguido alugar o filme para vermos. Voltei a ficar constrangido, mas aparentemente ela falava em tom de brincadeira.

Sexshop

Acabamos o jantar e fomos para sala, como era de costume. Chegando lá a primeira coisa que minha mãe me pede é para colocar o filme para ver. Peguei a fita dentro da sacola coloquei no vídeo cassete e fui em direção ao meu quarto. Ela perguntou aonde eu estava indo e eu disse que estava indo para meu quarto. Ela perguntou se eu não iria ver o filme também e que se desse algum problema no vídeo cassete eles não saberiam arrumar. Fiquei surpreso com o comentário, mas como o tesão e a curiosidade era maior que o constrangimento, acabei ficando para ver o filme junto com os meus pais.
Me lembro bem do filme, tinha um enredo e não começava com cenas de pornô explicito, começava contando uma história e depois ia para as cenas mais quentes.

O filme começa e até então nada de mais acontece, até que em muito pouco tempo a primeira cena começa a acontecer. Como a maioria dos filmes, a atriz começa a chupar o pau do ator, neste momento não conseguia olhar para meus pais que estavam sentados a poucos metros de mim no outro sofá. Elas também não expressaram nenhum comentário, continuaram vendo como se fosse um filme que passasse normalmente na tv.
A cena continua e logo tive o prazer de ver minha primeira buceta, no vídeo, mas era a primeira vez que via uma buceta. Fiquei extremamente excitado e ainda mais quando começaram a meter. Eu senti uma mistura de tesão e constrangimento, mas meu tesão era muito maior. Meus pais sem dizer uma palavra continuavam vendo o filme normalmente sem expressar nenhuma reação pelo filme ou por eu estar ali.
A cena acaba com uma penetração anal, que até aquele momento eu nem sabia que ara possível acontecer, mas que me chamou muita atenção. As cenas foram evoluindo com o passar da história, era um filme bem avançado para época, pois tinha dupla penetração, sexo grupal, entre outras coisas que vemos nos filmes pornôs.
O filme acabou e eu muito excitado tentando disfarçar o meu pau duro abracei uma almofada. Meus pais levantaram me deram boa noite, como se fosse algo comum o que havia acontecido e foram para seu quarto. Já era tarde, e fui para meu quarto também. Chegando lá bati um punheta para aliviar a tenção que estava sentindo e peguei no sono, mas acordei várias vezes no meio da noite com o pau duro e batia novamente punheta pensando nas cenas que havia visto.
No dia seguinte acordei e fui tomar café, cheguei na cozinha e estava somente minha mãe, meu pai já havia saído para trabalhar. Não comentamos nada sobre o filme naquele momento e terminamos o café da manhã, fui para sala e lembrei que tinha que rebobinar a fita, que era obrigatório antes de devolver ou pagava multa. Enquanto eu estava rebobinando a fita minha mãe entra na sala e pergunta se eu iria ver novamente o filme. Eu disse que não, estava apenas rebobinando para poder entregar.
Naquele momento ela disse que gostaria de ver mais uma vez antes de entregar e quando eu acabar de rebobinar era para colocar novamente para vermos. Perguntei se era para esperar meu pai e ela disse que não, poderia colocar para nós dois vermos.
Eu estava com muita vontade de ver novamente pois tinha me deixado muito excitado da primeira vez e acabei não prestando atenção em todos os detalhes. Acabei de rebobinar e chamei minha mãe dizendo que havia terminado de rebobinar e que estava colocando para ver.
Eu estava tão empolgado que nem notei que minha mãe tinha ido até seu quarto e trocado de roupa, estava com uma camiseta sem sutiã por baixo, que percebi depois, e com um short jeans curto e agarrado mostrando a maior parte de suas pernas.
Ela se sentou ao meu lado e o filme começou novamente, porém agora eu conseguia prestar mais atenção que antes, pois estava menos tenso. No final da primeira cena minha mãe começou a me perguntar se eu já havia tido alguma experiência com alguém, se já tinha tido minha primeira vez. Disse que não, ainda não tinha nenhuma experiência, mas que não via a hora de acontecer.
Quando disse isso senti sua mão em minha perna, fiz de conta que estava tudo bem, mas quando senti aquela mão quente na minha perna fiquei com muito tesão e ao mesmo tempo me sentindo muito culpado. Tentei mudar de assunto e ela não deixou dizendo que logo iria acontecer e que eu iria gostar muito, pois sexo é muito bom, começando a passar a mão na minha coxa. Olhei para ela tentando escapar da situação e ele disse que se eu não contasse para meu pai que ela também não contaria. Não entendi o que ela quis dizer, achei que era por estarmos vendo o filme sozinhos, mas logo em seguida ela subiu sua mão e começou a passar sua mão no meu pau que a esta altura já estava muito duro. Fiquei desesperado, sem saber o que fazer naquele momento, fiquei parado enquanto ela acariciava meu pau por cima do meu short.
Ela pediu para eu levantar me deixando de frente para ela. Tirou meu short junto com minha cueca e começou acariciar meu pau, eu em pé na sua frente e ela sentada no sofá. Logo ela começa a chupar meu pau e sendo minha primeira vez e estar muito excitado não demorou muito para encher sua boca de porra, que não deixou sobrar nenhuma gota engolindo tudo.
Eu ainda tremendo de tesão vi ela se levantar, tirar sua roupa e ficar peladinha na minha frente. Lembro de sua buceta lisinha sem nenhum pelo, diferente do que havia visto no filme e seus seios médios e bicudos. Meu pau ficou duro muito rápido novamente e ela perguntou se eu queria chupar sua buceta antes de meter. Fiquei muito eufórico e comecei a entender o que estava acontecendo, que iria perder meu cabaço, achei que meu pau ia explodir de tão duro. Ela disse em tom de brincadeira, rindo, que era só fazer como eu tinha aprendido no filme.
Ela sentada no sofá abriu suas pernas deixando um grelo bastante avantajado amostra e me chamou para chupar. Senti pela primeira vez o gosto de uma buceta, que depois fiquei sabendo que havia metido a noite toda com meu pai. Depois de algum tempo chupando, ela me puxou para cima do sofá e disse que era hora de me transformar em um homem de verdade. Abriu suas pernas e eu me deitei por cima sentindo meu pau entrar sem muita resistência em sua buceta que estava muito molhada. Não demorou muito e novamente gozei enchendo sua buceta de porra.
Ela me abraçou com meu pau ainda dentro dela e me deu um beijo no rosto suado perguntando se eu tinha gostado. Eu disse que sim e que estava muito feliz pelo que tinha acontecido.
Me disse que gostaria de me ensinar mais coisas, mas como havia trepado com meu pai a noite toda ainda estava um pouco dolorida, mas que tinha mais para me mostrar. Não entendi o que ela quis dizer naquele momento, mas depois entendi quando tive minha primeira experiência anal com ela.
Espero que tenham gostado, e fico grato em poder desabafar aqui, pois em anos de terapia ainda não consegui abordar esse tema com minha terapeuta.
Nos próximos contos escrevo como foi minha primeira experiência anal e como ela me viciou na sua bunda.

Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.