Loira casada virou minha puta

Em 2008 após me separar da minha esposa, comecei a bater papo em um Chat nas salas de evangélicos. Lá encontrei Nice (nome fictício), uma mulher casada, com cerca de 38 anos. Loira, mais ou menos 1,72m. Apresentava curvas que deixava qualquer homem de boca aberta. Era o tipo de mulher fatal. Seu bumbum sem dúvidas era seu cartão postal. Cabelos lisos abaixo dos ombros. A princípio Nice não falou que era casada. Nós mantivemos contato por um longo período, até que resolvemos nos encontrar. Ela foi até meu apartamento. Quase não acreditei que aquele mulherão havia se deslocado há uma distância de mais de 60 km de condução para me conhecer.
Nice usava um vestido vermelho que contornava as curvas do seu corpo e a deixava ainda mais atraente.
Quando entrou, lhe pedi para tomar assento e lhe ofereci algo pra comer mas recusou. Queria conhecer o AP. Lhe mostrei mas ela
nem reparou muito, claro, queria ir logo para o meu quarto. Nice me perguntou porque eu dormia em uma cama de casal, então lhe falei que era
porque eu gostava de espaço e também porque havia me separado recentemente.
Nice sentou na cama e exclamou: – Que colchão macio, você deve ter feito muito amor encima dele. (risos) Não perdi tempo e lhe dei um beijo
longo na boca. Ela me disse que eu era muito apressado e se deitou na cama me puxando pra cima dela. Fiquei entre suas pernas e começamos uma
preliminar muito caliente. Chupava seus peitos enormes (naturais) e apalpava sua bunda enorme enquanto beijava os lábios rosados.
Nesse momento meu páu já vibrava dentro do shorts. Nice estava adorando as encoxadas nos nossos amaços e passou a apertar meu bumbum com as
mãos pra sentir o volume da minha rola primir sua buceta. Aquele foi o sinal verde para eu lhe dar uma surra de pau duro. Bati com a cabeça
do pau nos seus lábios. Tenho certeza que machucou sua boquinha deliciosa. Mas ela puta como é, segurou minha rola elogiando o dote e mamou
como uma verdadeira vadia. Eu a pus sentada segurando sua cabeça e socando minha rola até a garganta.
Nice tirou o vestido ficando com uma lingerie também vermelha de renda. Nunca vou esquecer aquela cinta liga comprada especialmente para
aquele momento. Puxei sua calcinha de lado e metia língua no sua rachada que babava implorando minha boca. Foi lindo ouvir seus gemidos de
puta enquanto gozava pressionando minha cabeça contra sua buceta.
Nice pediu que eu metesse na sua buceta mas a puxei e a coloquei de 4. Voltei a chupar sua buceta observando seu cú piscando pra mim.
Mal podia acreditar que aquela mulher linda da CCB estava alí gozando na minha boca toda entregue aos meus desejos.
Peguei Nice e coloquei na posição de frango assado, encaixei a cabeça na sua buceta e de uma forma abrupta, penetrei sem dó.Foi uma sensação
ímpar. Senti suas entranhas se alargarem na minha trolha. Ela amou e pediu pra socar outra vez. Repeti o movimento deixando o pau inteiro dentro da
sua pepeca e beijando sua boca. Queria sentir seu calor. Eu tirava a rola e ficava olhando sua cara de safada. Ela falava: – Não pára amor, por favor.
Você é muito gostoso. Então eu falei pra ela pedir e ela com voz suave me pedia fazendo carinha de puta. Aquilo me excitava ainda mais. Fui pra cima
dela como um tigre. Soquei com vontade e bombei na sua rachada. Não demorou e ela gozou se contorcendo em gemidos encantadores.
Transamos em várias posições e eu estava a ponto de explodir. Então pedi que Nice me chupasse e enquanto ela mamava minha rola, inundei
sua boca com minha porra quente. Ela engasgou e tentou cuspir mas mandei que engolisse tudo. Ela obedeceu e a coloquei de quatro puxando pelos cabelos.
A cena era maravilhosa. Aquele bumbum redondo de quatro formando um coração bem definido em sintonia com sua cintura fina. Dei uns tapas na sua
bunda e comecei a esfregar o polegar na entrada daquele cuzinho enquanto fodia sua buceta com força. Ela gemia e pedia mais. Fiz ela gozar mais uma vez
na minha rola. Foi demais.
Nice percebeu a tara que eu estava para foder o cú dela, mas foi muito maldosa. Me disse que se eu estava pensando em lhe enrabar, podia tirar
o cavalinho da chuva, pois não ia dar. Eu nem insisti, porque pra mim já era demais foder aquela loira logo no primeiro encontro. Pra compensar, eu pedi
que ela sentasse no meu pau e cavalgasse. Ela fez de propósito. Sentou de costas para que eu visse seu cú piscar. Na hora que foi descendo, deixou meu
cacete escapar e dar uma roçada na entradinha da sua bunda, mas logo corrigiu a postura e sua buceta engoliu todo o meu mastro.
Ela saltava e rebolava no meu pau enquanto eu segurava seus cabelos e observava o seu cuzinho subir e descer.
Após quase uma hora nessa posição, ela já tinha gozado diversas vezes com pausas pra descansar, pois estava exausta. Gozamos juntos.
Nice se vestiu e se despediu com um beijo apaixonante e se foi. Cabelos desarumados e vestido amassado, tomou um ônibus e se foi.
Continuamos conversando pelo MSN Messenger e nos encontrando para transarmos gostoso. Só após o terceiro encontro foi que ela me contou que era
casada e me fez uma proposta de se separar e casar-se comigo. Recusei sua proposta e falei que ela tinha me enganado e enganado o marido ao esconder que
era casada.
Ficamos algum tempo sem nos falarmos até que um dia ela me contou que seu marido tinha um problema de saúde e não a procurava mais na cama.
Claro que eu entendi, mas fiz usei um charme para conseguir meu prêmio. “Comer seu cuzinho”. Falei pra Nice que só iria ao seu encontro se ela topasse
fazer só anal comigo. Ela relutou mas acabou cedendo e eu fui até sua casa, mas isso fica para o próximo conto.
Saibam, que eu escrevi este conto aqui, com a aprovação de Nice que fez suas correções e sugeriu o título.

LibidGel

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.