Ganhei chifres novos uma semana antes do Carnaval

Devido a assuntos particulares tenho de viver na Europa durante algum tempo. A minha querida, segue vivendo na sua terra natal, cidade costeira de belas praias e mar azul, com uma vida turística bastante animada. Ela é uma morena alta, de belas curvas, com um par de tetas grandes que além de me agradarem muito, parecem ser também um ponto de interesse para os olhares concupiscentes dos homens que a admiram.

LibidGel

Vimo-nos pela última vez em Dezembro, quando passou algum tempo na cidade também costeira onde vivo. Claro que depois de termos estado tanto tempo separados, aproveitámos na altura para dar viva vazão aos nossos desejos contidos durante meses. Foi fantástico e entregámo-nos um ao outro com uma satisfação total por finalmente termos o prazer de sentir os nossos corpos juntos e a cumplicidade total que vivemos.

Temos os dois uma mente aberta e desde há muito tempo na nossa relação, tínhamos revelado um ao outro facetas mais íntimas das nossas personalidades e com o passar do tempo verificámos que as nossas características se encaixavam bastante bem. Tivemos ambos no passado, antes da nosssa vida em comum, múltiplas experiências com outros parceiros e embora creia que eu deverei ter tido mais devido à minha vida de judeu errante, ela também teve bastantes. Eu tinha pertencido durante grande parte da minha vida ao grupo de comedores, mas porém descobri que tinha vontade de passar para o lado dos cornos.

Assim que, apercebendo-me da fogosidade dela e do seu tesão por paus grandes, cedo lhe disse que gostaria muito que ela me botasse uns bons pares de cornos. Não é que eu tenha um pau pequeno, pois até agora apesar da minha variada experiência sexual, sempre tive a certeza de que as mulheres com quem eu transava gostavam da minha companhia e me procuravam vezes sem conta sempre que havia disponibilidade. Mas a minha querida, gosta realmente de cacetes enormes, e quantas vezes se masturba e goza vendo filmes porno ou olhando fotos de paus, tiradas da net. Brancos, pretos ou morenos, para ela é tudo igual. O importante é que sejam sempre avantajados.

Sexshop

Disse-lhe pois que teria o maior prazer em que ela desse para outros homens e apesar de saber já do seu interesse por paus grandes, não estranhei muito a sua resposta negativa e protestos. Sempre tinha sido mulher de um homem só, durante as relações que tinha tido, e não estava preparada para aceitar tal proposicão. Com o passar do tempo contudo, verificámos que tanto eu como ela tínhamos interesse em saber das nossas experiências passadas e invariàvelmente tínhamos prazer com os relatos que contávamos um ao outro. Ela gosta muito de se masturbar vendo um homem a bater punheta e eu satisfazia-lhe o desejo enquanto ela me contava os detalhes das suas fodas passadas. Deitada na cama de pernas abertas e a meu pedido começou a perguntar-me se era assim que gostava que ela estivesse, com as pernas bem abertas, acariciando a xoxota e mostrando para outro homem, para que ele ficasse de pau bem duro e a comer muito. Eu claro que concordava e também a meu pedido ela começou a chamar-me corno, chifrudo e outros epítetos do mesmo género. Adorava ouvi-la tratar-me assim e ela começou realmente a dar-se conta do meu desejo em ser corno manso e sabendo o tesão que me iria provocar finalmente consentiu em satisfazer as minhas pulsões.

Há cerca duma semana, telefonou-me a dizer que ia passar uns dias noutra cidade pois tinha assuntos a tratar lá de origem profissional e ao mesmo tempo aproveitava para passar o Carnaval e reencontrar antigas amigas e amigos. Iria ficar em casa de gente conhecida, e voltaria para casa depois da folia carnavalesca.

Claro que fiquei contente, pois sabia que iria ter a possibilidade de ganhar um par de chifres bem novinhos ou ainda mais com alguma sorte. Desejei-lhe boa viagem e na noite de quinta para sexta ela pegou o avião para uma viagem relativamente curta. Chegou de madrugada, a amiga estava à espera dela e foram para casa pois ela precisava de dormir devido à viagem nocturna. Durante o dia, já de tarde aqui na Europa, recebi uma chamada informando-me que tinha saído para almoçar com a amiga e que tinha encontrado outras e que provàvelmente iria sair à noite. Eu pensei, que tudo estava correndo pelo melhor para a satisfação dos nossos desejos e depois de termos tido uma conversa cheia de tesão ela desligou informando-me que se fôsse sair me avisaria.

Nesse dia, eu tinha feito uma viagem de ida e volta de trem para tratar de assuntos profissionais e tinha acabado de chegar à estação de trem da cidade onde vivo, quando recebi um sms dela:

“Meu corno, sua vadia tá na noite bebendo em uma festa perto do meu anterior trabalho.”

Peguei a minha mala e fui andando para a paragem de taxis, pois depois daquele sms só tinha vontade de chegar a casa para relaxar e poder começar a fantasiar sobre a sacanagem que ela iria aprontar. Preparei algo para comer e sentei-me à frente do computador, tendo entrado no site da publicação deste conto para ler histórias de outros cornos. Embora algumas vezes duvide da veracidade das histórias, sempre existem algumas que pela forma que são contadas, me dão tesão e nas quais reconheço outras pessoas como nós, que apesar da nossa vida sexual pouco conforme às normas vigentes na sociedade em geral, atingimos o prazer percorrendo caminhos menos usuais e não é por isso que deixamos de nos respeitar ou amar.

Passado algum tempo, como não havia sinais de vida do lado dela, decidi a mandar-lhe um sms:

“E?… Vai me botar chifres hoje sua puta vadia? Tá com tesão para mamar rola?”

De novo nada aconteceu, e os minutos arrastavam-se penosamente pois não tinha a mínima ideia do que se estava a passar. Fumei um ou dois cigarros, e continuei lendo e olhando televisão, vendo coisas que não prendiam realmente a minha atenção ao fim de algum tempo e que olhava porque não sabia o que fazer de outro. Surpreendia-me e irritava-me algo a falta de resposta às minhas tentativas de contacto e portanto decidi enviar-lhe outro sms:

“Já está mamando puta? Ou tá dando em cima dum comedor que de novo nem responde?”

Porém passado alguns minutos recebi então um sms dela:

“Estou na rua e te aviso quando for mamar.”

Claro que fiquei cheio de tesão e queria estar lá para ver como tudo se estava desenrolando. Hoje pude ver as fotos que ela tirou com o grupo com quem estava nessa noite e vi quanto ela estava atractiva com as suas calças jeans bem justas para moldarem as suas formas e uma blusa também preta, com um grande decote em V, que deixava à vista as suas belas tetas. Para as pôr melhor em eviência eu tinha-lhe oferecido um sutiã dum tipo especial que serve unicamente para sustentar os seios, deixando os biquinhos das tetas expostos. Claro que com o roçar da roupa os biquinhos vão ficando duros e podem notar-se mesmo através das blusas que usa. Estava linda e gostosa.

Eu estava ficando cheio de tesão pensando nela e o meu pau começou a ficar duro precisando duma boa punheta enquanto eu fantasiava com a minha puta me botando chifres.

Me contou depois que tinha realmente saido com ex-colegas suas, e que tinham ido a um bar perto do seu antigo trabalho onde habitualmente se encontravam pessoas que trabalhavam no mesmo ramo. E claro que aí encontrou mais gente que conhecia do tempo que tinha vivido lá. Dirigiu os seus pensamentos a mim para se dizer:

“Já que o meu corno quer ser chifrado, hoje vou corresponder aos olhares de um deles.”

Uma amiga sua disse-lhe que havia um que sempre perguntava por ela e passado algum tempo ele chegou. Quando o moreno alto chegou, ele veio logo abraçar-se a ela e ela pensou:

“Vai ser esse!”

Ela sabia do tesão dele pois além da sua amiga lhe ter dito que ele sempre perguntava por ela, ele também tinha tentado antes quando ela morava lá, mas ela nunca tinha deixado nada rolar. Olhou para ele e reparou que ele continuava bem constituido e era um cara grande, moreno. Então pensou que um cara desse tamanho devia ter uma rola como ela gosta.

Toda a gente estava bebendo, comendo e claro que dançando. Gente com laços em comum que se conheciam de longa data e que se divertiam da melhor maneira possível numa noite de sexta-feira uma semana antes do Carnaval. Ele aproximou-se dela com uma bebida e começaram a falar dos tempos antigos. Ficaram tomando e dançando e ela sentindo a excitação dele. Ela já tinha bebido bastante também e depois das nossas conversas e da falta de sentir um pau duro, estava com tesão. Além disso sabia que o corno manso estava esperando em casa do outro lado do Atlântico para gozar, sabendo que ela tinha estado dando para outro.

O tempo foi passando o ambiente foi esquentando, e a certa altura ela disse-lhe:

”Eu sei que vc tinha tesão por mim.”

Não sei se o cara pensou que lhe tinha saido a loteria, mas respondeu:

“Tinha não,tenho e muita!”

Ela riu-se e respondeu:”Pois hoje vai ter ainda mais!” E ficou por ali.

Continuaram bebendo e dançando e eu na minha cama sem saber de nada e ainda ansiosamente esperando que ela me enviasse um sms para me dizer que ia mamar. Continuava a bater punheta pensando que a minha querida é tão puta, me deixa louco de tesão. Só que me deixa pouco tranquilo quando fico sem saber o que está passando. Mas que fazer, não posso controlar a situação à distância que me encontro.

O bar estava cheio e ela convidou-o a ir para o andar de cima do bar, onde havia também uma mesa ou duas e poderiam sentar-se. O cara concordou de seguida e saindo sem se fazer notar, logo subiram os poucos degraus até ao lugar pretendido. Não havia ninguém por lá e ele começou imediatamente a beijá-la e a dar-lhe uns amassos. Ela pousou a bebida que levava nas mãos numa das mesas e também começou a alisar o seu pau, que como ela pensava e queria para satisfazer o seu tesão, era bem grande e já estava muito duro.

A minha puta é uma boqueteira. Sei que adora dar a xoxota para os machos que a comem, mas ela sabe também, que eu adoro quando ela está com a boca cheia de rola. E assim que, quando tem a oportunidade, mesmo num lugar público, abre a boquinha para engolir o caralho do comedor para quem ela decidiu dar. Assim, que sem muita perda de tempo, se sentou na cadeira mais próxima e ele se posicionou em frente dela. Dirigiu as mãos às calcas dele, e abriu o ziper que estava à altura do seu rosto. Meteu a mão dentro e tirou para fora um cacete grande e duro, que lhe deu muito prazer a olhar pelo tamanho que tinha. Claro que ao vê-lo bem grande como ela gosta, sentindo-o quente e excitado na sua mão que mal fechava à volta do cacete, ficou muito excitada e pensou:

“O meu corno ia adorar ver eu mamando esse pau, ou mesmo saber que mamei esse caralho grande para ele ter o prazer de levar chifres!”

Não perdeu mais tempo e sentadinha à frente do cara, abriu a boca e foi logo metendo o caralho dentro. Ela faz uns boquetes deliciosos, pois realmente adora pau e apesar dos protestos iniciais dela quando lhe falei das minhas fantasias, ela é realmente uma puta, que finalmente começando a sentir-se liberada no seu comportamento e sabendo da minha aprovação total, tenho a certeza que agora sempre que puder me vai botar chifres.

Pois, continuou mamando na rola dele, enchendo bem a boca e tentando engolir tudo, mas não conseguia porque ela tem uma boquinha pequena e o cara tinha um cacete grande. Mas isso não a impedia de tentar. As tetas meio de fora da blusa a minha puta pensava em mim e continuava mamando o pau do outro. Adoraria ter visto tudo, ela de boca cheia e tentanto engolir mais. O cara de pé se movimentando de maneira a foder-lhe a cara. Adoraria ter ouvido tudo, os gemidos do macho que estava a foder a cara do meu amor e dizia estar adorando a mamada que a puta lhe estava fazendo e o barulho que ela fazia, quando o pau deslizava entre os seus lábios e lhe enchia a boca até ela se engasgar. Eu não vi nada disto, mas sei o que se passou porque ela me contou os detalhes minuciosos e também porque sei como ela mama no meu pau. Com a ânsia que ela estava de poder agarrar, cheirar, mamar um pau, já que não o tinha feito há mais dum mês tenho a certeza que não me estou afastando muito da verdade. O certo é que o cara estava louco de tesão lhe dizia que ela era uma puta que mamava muito bem e que ia gozar na boca dela. Ela continuou chupando e engolindo a rola, mas quando se apercebeu que ele ia gozar, tirou o cacete para fora e continuou batendo punheta naquele pau até ele gozar e esporrar-se na cara dela. Parece que o cara tinha muita esporra e ela ficou com a cara cheia de leitinho.

Felizmente que havia também um banheiro no primeiro andar e ela foi até lá admirar como tinha ficado a sua carinha cheia de esporra. Me disse que estava bonita como eu gosto, quando esporro a cara dela e ela me beija depois. Fica com uma tesão danada quando faz isso e me disse que tinha adorado a rola grande que tinha chupado e que teria sido ainda melhor se eu tivesse estado lá, para eu poder ver bem como ela gostava de cacete grande e como ela mamou muito no caralho e ele lhe fodeu tanto a cara. Depois lavou a cara e o cara tendo-se arrumado desceram de novo para o bar como se nada tivesse acontecido.

Não tinham demorado muito tempo, mas uma amiga perguntou para ela onde tinha estado pois tinha procurado por ela, ao que ela respondeu que tinham ido para um lugar mais tranquilo, pois tinha ficado cansada de tanto dançar e que lá também dava para conversar mais tranquilamente com seu amigo que ela já não via há anos.

Em seguida foram dançar de novo, e riram-se juntos, pois ninguém sabia do que se estava a passar, mas ela me disse que continuava a pensar que tinha estado fazendo uma boa mamada para o seu corno gozar muito, muito, sabendo que tem uma puta vadia que adora pau grande.

Foi nessa altura, que já louco por saber o que estava a passar-se recebi o ultimo sms da noite:

“Fiquei aqui corno, me afastei e dei uma mamada pensando em você!”

Embora um pouco triste porque fiquei com muita pena de não ter sabido que a minha puta estava chupando rola na altura, visto que ela tinha prometido avisar-me quando fôsse mamar, fiquei encantado por saber que a minha querida, a minha puta adorada, tinha feito o que tinha prometido e me tinha enfeitado de novo a cabeça com um par de chifres novos. Me acabei na punheta e gozei muito depois de ter lido a sua mensagem.

Isso foi há uma semana atrás, e hoje ela devia ter saido de novo com as amigas mas elas não apareceram e ficou em casa. Por isso sei dos detalhes de tudo o que passou visto que ela me esteve contando tudo na net e me enviou as fotos da festa no bar com o pessoal.

Mas como é Carnaval e ela ainda vai ficar por lá mais uma semana pode ser que role mais alguma coisa. Só o futuro o dirá.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.