Fui comido pelo motorista da minha van

Olá, meu nome é Paulo, tenho 21 anos, sou um moreno esbelto de cabelo preto e liso com 1,82 de altura. Estudo em uma universidade na cidade vizinha da que eu moro, por isso pego uma van todos os dias para chegar até lá. O nome do meu motorista é Ricardo, ele é um homem maduro, de cabelos curtos e negros, com provavelmente 40 anos, entretanto com um corpo atlético e um lindo sorriso. E hoje vou contar sobre o dia que ele me comeu.
Como de costume, entrei na minha van pouco depois de ter chego ao meu ponto. Sentei-me na cadeira que fica ao lado da porta de trás como de costume. Durante a viagem pude perceber que o meu motorista me lançava olhares através do retrovisor de vez em quando, no momento não pensei isso com malícia.
Minhas aulas haviam terminado um pouco antes devido à ausência de um professor, por esse motivo fui para minha van um pouco mais cedo do que os outros alunos que também a pegavam. Quando cheguei próximo a van percebi que Ricardo já estava dentro da van à espera dos passageiros, abri a porta e sentei no assento na frente, ao seu lado. Pude perceber um leve sorriso de satisfação em seu semblante que até o momento aparentava estar sério. Ele começou a puxar assunto comigo, e logo começou a desabafar comigo sobre sua relação com sua mulher, que havia o traído. Disse-me que estava descontente com as mulheres em geral pois não era a primeira vez que havia acontecido isso com ele. Foi aí que disse pra ele que não era pra ficar assim e que ele iria encontrar alguém que realmente ia merecê-lo. Então ele olhou para mim com um olhar carinhoso e colocou suavemente sua mão em minha perna. Então com sua voz grossa e suave, ele começou a dizer:
—Paulo, desde a primeira vez que o vi senti uma estranha atração por você e faz tempo que queria te dizer isso…Eu quero muito te fud…
E foi interrompido quando a porta de trás foi aberta e os meus colegas de van começaram a entrar, subitamente Ricardo tirou o mão de minha perna e voltou a olhar para frente com sua face séria. Naquele momento comecei a ter uma ereção com aquela revelação incompleta. Coloquei meus fones de ouvido e fechei os olhos pensando várias cenas eróticas com aquele homem ao meu lado, em pouco tempo meu membro parecia estar prestes a explodir da minha calça.
Quando estávamos quase chagando ao ponto que a van me deixa sussurrei no ouvido de Ricardo:
—Hoje sairei em um ponto diferente.
Ricardo logo entendeu o que eu quis dizer e instantemente ele me respondeu com um delicioso sorriso malicioso.
Ao sair o último passageiro, coloquei a minha mão sobre o membro de Ricardo e em poucos segundos parecia que aquilo ia rasgar seu jeans, e disse baixinho em seu ouvido:
—Eu também quero que você me foda.
Ele dirigiu por mais uns 3km até chegar em um ponto deserto da cidade. Então me conduziu com um beijo delicioso que parecia me levar as nuvens. Então ele suavemente colocou sua mão sobre minha cabeça e forçou levemente dizendo que queria que eu chupasse-o, abri o zíper de seu jeans e seu pau estava quase rasgando através de sua cueca box. Tirei-o para fora, tinha cerca de 16cm e era muito grosso, comecei a lamber a sua viçosa cabeça vermelha que tinha um inconfundível gosto de macho e depois de algum tempo minha boca já estava chupando aquele cacete maravilhoso por inteiro, até chegar em sua bolas, que eram muito avantajadas, diga-se de passagem. Fiquei naquele delicioso vai-e-vem continuo em sua pica até que ele recostou os bancos para que fizemos dos assentos nossa cama. Ele num movimento rápido tirou sua camisa e imediatamente comecei a lamber seu peitoral musculoso e peludo — que homem delicioso — pensei. Ele então falou:
— Fique de quatro, quero te comer, minha putinha.
Com um movimento meio bruto ele tirou minha calça e me pôs de quatro, e aos poucos colocou seu mastro sedento em meu cu que já estava todo lubrificado naturalmente, o prazer era tanto que não consegui sentir dor quando ele colocou lentamente seu caralho dentro de mim, ele dava estocadas bem fundas que faziam tanto eu quanto ele urrar de prazer. Quando ele estava prestes a gozar ele disse ofegantemente:
—Quero que você beba meu leitinho de macho.
Então ele tirou o seu membro de mim e comecei masturbar a aquele cacete duro e veiúdo, ele ejaculando, soltou alguns gemidos de prazer e bebi sua porra, que era muito espessa. Lambi até acabar aquele néctar que jorrava de seu grande pau.
Nos vestimos e ele me levou até a minha casa, e quando ia saindo eu disse a ele:
—Espero que isso tenha tirado um pouco seus problemas da cabeça. — Disse num tom brincalhão.
—Sem dúvidas, vamos ter uma próxima vez? —Disse ele com um sorriso sacana.
—Pode ter certeza, adorei brincar com seu “freio de mão”. — Disse baixinho, rindo, aproximando-me de seu ouvido.

Este é meu primeiro conto neste site, espero que tenham gostado, deixem seus comentários

Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.