Fazendo a aluna de puta

Olá, Meu nome é Carlos, tenho 21 anos, moro em santa Isabel e sou professor substituto de geografia. Essa história se passa em 2015, quando no início do segundo bimestre escolar eu fui convocado a substituir um professor que veio a se ausentar por motivo de saúde.
Dês da minha adolescência, sempre tive uma queda por garotas mais novas que eu, quando eu tinha 14 anos, me interessava pelas garotas de 12, quando eu tinha 16, me interessava pelas de 12 ou 13 e quando cheguei aos 18, me interessava pelas de 14, 15 ou 16. O fato é que as adolescentes sempre me chamaram a atenção.
Então, o lado bom de ser professor do ensino fundamental é que vc sempre irá trabalhar com adolescentes na flor da idade, jorrando energia e demonstrando interesse obsessivo pelo sexo oposto. No meu trabalho eu tento manter a postura de bom moço, não dou confiança as garotas e sempre tento manter a postura já que ali é o meu lugar de trabalho, claro que hora ou outra eu meio que tiro uma casquinha das alunas, pegando na mão abraçando e até fazendo carinho, o fato é que elas gostam e de certa forma eu chamo a atenção delas pela minha boa aparecia. Pois bem, tudo começou quando uma jovem de 14 anos, que a propósito é lindíssima, olhinhos puxados, baixinha, bum-bum empinado e cabelos longos. Essa garota começou a dar em cima de mim, claro que no inicio eu tentei manter a pose, mas com o passar do tempo ela começou a ficar forçando e forçando, perguntando se tenho namorada, se eu moro só e essas coisas, e não demorou muito pra ela desabafar e dizer que está afim de mim e que não para de pensar na gente. No inicio fiquei meio assustado, mas logo vi que eu poderia me aproveitar da jovem sem que toda a escola ficasse sabendo. Então antes de fazemos qualquer coisa, eu fiquei fazendo jogos mentais, fiquei falando repetidas fezes para ela não contar a ninguém, então em um certo dia quando eu liberei a turma , ela ficou para tirar uma dúvidas comigo, eu já sabia as reais intenções dela e logo não perdi tempo, fechei a porta da sala de aula e coloquei uma cadeira para segurar, ela já sabia que eu estava querendo fazer, e que seria ali mesmo na sala! Então foi quando eu a peguei nos braços, sentindo todo aquele corpinho pequeno e delicado, passei as mãos em seu seio, apertei forte sua bunda, coloquei a minha outra mão entre seus cabelos e trouxe sua boca para junto da minha, foi tudo bem quente e excitante. Naquele instante a minha vontade era de por o meu pau para fora e foder ela ali mesmo, porem aquela cadeira na porta não iria segurar ninguém por muito tempo, então tive uma ideia de irmos para um local mas afastado, atrás da quadra da escola, um lugar isolado que quase ninguém frequentava. Chegando lá repeti tudo o que eu já tinha feito na sala, só que agora mandei a putinha chupar o meu pau, no início ela ficou com medo de que alguém aparecesse, mas logo eu a tranquilizei quase meio que forçando o meu pau entrar na sua boca, a sensação de ter o meu pau dentro de uma boquinha de uma jovem de 14 anos foi tão excitante que gozei deu nem 15 min, a fdp não engoliu o meu gozo, mas ficou chupando o meu pau mesmo depois de eu gozar.. Sei que o correto era eu ter enfiado a vara naquela putinha, então dois dias depois a convidei para ir em minha casa, saímos cedo da escola e a levei para o meu quarto, no início eu fiquei meu com medo de comer aquela porra, vai que eu vou pra cadeia, no inicio ela só chupou, estava afim que eu a penetrasse sem camisinha, queria mesmo, e eu também estava afim de comer aquela bucetinha sem a capa, porem a fdp não tomava remédio algum, e ser pai com essa idade ainda n é pra mim. Mesmo eu dizendo que n dava de comer aquela puta sem a camisinha, ela insistia, então foi quando eu a peguei nos braços, tirei toda aquela roupinha e enfiei sem capa mesmo, foram os 5min mais lindo da minha vida! Calma, eu não gozei agora, eu apenas coloquei a camizinha após 5 min, para não correr o perigo é claro, a filho da puta gritava e gemia como uma puta, fodi ela com tanta força que pensei que ela não fosse aguentar, fiz tudo que tinha direito, puxei o cabelo, chamei de vadia, coloquei de quatro e fiz ela cavalgar. Na hora de gozar a fiz de puta novamente, puxei ela pelos cabelos e gozei na cara e a deixei que nem aquelas atrizes de filme pornô, todo fodida no chão. Assim que gozei deu uma tapa na cara dela, n sei pq fiz isso, mas fiz, e ela também não pareceu se importar. Então nos vestimos e a deixei ir embora para casa. No dia seguinte na escola, fingimos que nada daquilo tinha acontecido, eu bem que queria realizar isso tudo novamente, mas por sei lá por quais problemas, ela teve que sair da escola, e hoje em dia eu raramente a vejo, e em uma dessas raras vezes em que nos encontrarmos, vou fazer de tudo para voltar a persuadir a cabecinha dela, vai que cola.. rs Se eu conseguir foder aquela bucetinha de novo lanço o conto novamente aqui.

Sexshop
Sexo por Telefone

2 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.