Exibindo minha esposa na praia

Me chamo Fernando, e o que passo a relatar a partir de agora é mais uma história verídica que eu e minha amada esposa, Sophia, (ela como sempre linda e cheia de tesão), curtimos em mais uma temporada de férias em Bombinhas, Santa Catarina.

Sexshop

Faço questão de descrevê-la novamente: morena clara, rosto lindo, com carinha de safada, 1,65 m, com uma bunda enorme e firme, muito malhada, coxas grossas, cintura fina, seios turbinados com 280 ml de silicone, desproporcionais a sua altura, mas muito proporcional ao seu rabo grande e gostoso.

Como se não bastassem estes atributos físicos, nestes 10 anos de relacionamento eu a transformei numa verdadeira putinha, bem safadinha, e nos últimos 3, totalmente liberada por mim para dar pra outros machos, mas sempre com minha presença.

Disk Sexo

Adoro exibi-la para outros machos, e os melhores lugares são a praia ou a piscina do clube.

Por morarmos numa cidade pequena do interior do RS, não posso expô-la em nossa cidade, restando à praia ou piscinas distantes de onde moramos.

Vou contar o que aconteceu, conosco num final de temporada, já era começo de abril, as férias acabando, o inverno chegando e a praia cada vez com menos turistas, principalmente nos dias de semana.

Estávamos hospedados em um hotel na praia de Bombinhas/SC.

Minha mulher, como sempre, usando os minúsculos biquínis fio-dental, que eu sempre a presenteio, os quais somem naquele rabo enorme e gostoso, mal cobrindo os mamilos de seus seios grandes e firmes.

Provocando olhares, cheio de desejo de todos os machos por onde ela passa e me enchendo de tesão com este tipo de situação.

Nestas férias ficávamos tomando banho de sol e curtindo a praia todo o dia no mesmo lugar, próximo a um local que locava jet-Skis, onde dois rapazes cuidavam do seu negócio e de minha esposa que passava o dia com aquela bunda gostosa se bronzeando.

Percebíamos os olhares, cada vez menos cuidadosos, que a secavam escandalosamente, cuidando cada movimento a fim de ver algo a mais.

Minha safadinha percebendo isso, provocava-os, arrumava seu biquíni, enfiando o máximo naquele rabo, ou quando de frente, marcando sua Buceta volumosa e inchada.

A situação me excitava demais, me tratando como um verdadeiro corno, correspondia aos olhares.

Resolvemos provocar àqueles dois um pouco mais, e a cada dia escolhíamos o biquíni mais provocante.

Entrávamos na água, e sempre pedíamos que reparassem nossas coisas na areia, o que simpaticamente atendiam.

Minha esposa se excitava com a situação de ser tão descaradamente desejada por aqueles 2 jovens machos, bonitos e sarados.

Á noite fantasiávamos uma relação a 4 com aqueles dois rapazes, onde ela me provocava dizendo estar louca para dar pra eles e eu, como um corno manso, teria que assistir calado.

Numa manhã ao nos preparamos para ir à praia, ela me perguntou se poderia provocar ainda mais aqueles dois, disse que sim, e perguntei:

– O que vai fazer? Vai nua?

Pois os menores fio-dental que encontrei para comprar ela já havia usado.

– Você não diz que eu tenho uma bucetinha linda e volumosa, vou deixa-la mais em evidência,

Justificando que um biquíni já era velho e por ser branco, estava amarelado, pegou uma tesourinha e cortou o forro interno, deixando somente o fino tecido de lycra do biquíni, fazendo o mesmo com o soutien.

– Agora vai ficar mais em evidencia minha bucetinha e meus seios, não acha seu chifrudo?

– Se eu entrar na água vai aparecer tudinho meu corno.

Sem nem aguardar minha aprovação, já o foi colocando, mas quero confessar, me deixou de pau duro na hora, minha esposa tem uma buceta com lábios externos muito grandes, dá a impressão de estar sempre inchada, aquele fino tecido enterrado na sua racha marcava seus lábios e até mesmo seu clitóris avantajado se percebia sob o fino tecido branco.

Em breve voltaremos pra contar outras das nossas aventuras.

Se gostaram dessa nossa história, comentem e votem, Sophia adora ler os comentários de vocês.

Beijos a todos e até breve

Fiquei louco de tesão com a situação e fomos para o lugar de sempre da praia, chegando lá começou nosso exibicionismo, passei demoradamente bronzeador nela, passados alguns minutos, e por fazer muito calor, minha esposinha, com cara de safada, me convidou para entrar na água, perguntei se estava brincando, disse que não.

– Não era isso que você queria, ver outros machos loucos para me comer?

– Imagina só eu voltar com minha Bucetinha bem marcadinha, não acha que estes dois vão ficar de pau duro por tua esposa seu chifrudo?

– Não é isso que você sonha seu corno?

– Vários machos de pau duro por causa da tua mulher?

Ela me tratava como um verdadeiro corno manso, este tipo de situação me enlouquece.

Fomos para água, pedindo a gentileza de nossos amigos para cuidarem de nossas coisas, ficamos alguns minutos na água e podia perceber os mamilos de minha mulher marcando o soutien que molhado e estava totalmente transparente, ela adorava a situação, provocava um pouco mais, dizendo que embaixo ia ficar tudo a mostra.

Pedindo que eu a ajudasse a boiar, deitou-se de costas na água me dando a oportunidade de ver, que realmente percebia-se completamente sua xana, o tecido fino e molhado desenhava o contorno com detalhes daquela xana volumosa e beiçuda.

Com o pretexto de ajudá-la a equilibrar-se, não resisti e bolinei aquela xana por cima do biquíni, e depois enfiando um dedo pela lateral, vi que estava escorregadia de tesão, parecia que ficava mais inchada a cada minuto, estava louco para meter naquela buceta, mas não daria, todos perceberiam, com um sorriso de safada, me convidou para sair d’água.

Indo em direção aos nossos pertences que deixamos aos cuidados de nossos amigos, mesmo à distância, de boca aberta, os dois observavam descaradamente minha putinha, que passou rebolando bem ao lado deles agradecendo, nem conseguiram falar.

Pegou uma toalha e suavemente ajeitou-se para tomar mais um pouco de sol.

A esta altura, dentro de minha sunga meu pau doía de tão duro, estava louco para me acabar com minha esposinha, mas ela me torturava ainda mais provocando aqueles dois.

Bebemos algumas cervejas e ela decidiu que iria andar de Jet Ski, sem tirar os olhos de minha gostosa, que continuava com seu corpo como se estivesse nua, acertamos e saímos para um passeio de 20 minutos, enquanto eu pilotava ela me punhetava, dizendo no meu ouvido que estava louca para dar para aqueles dois, que eu só iria assistir, e no final chupar sua buceta toda gozada.

Os 20 minutos passaram rapidamente e tivemos que voltar, com meu tesão ainda maior, pois não me fez gozar só para me torturar mais um pouco.

No retorno perguntaram se tínhamos gostado do passeio, disse que sim, mas minha esposa disse que não, no mesmo instante.

Perguntaram:

– Por quê?

Ela disse que eu era um piloto muito fraco, pois queria saltar as marolas e ondas, como tinha visto eles fazendo.

Eles explicaram que para isso tinha que ter uma pratica maior, mais experiência, mas que se ela quisesse, poderia ir de carona com um deles, convite que minha esposa puta, aceitou na hora.

Só vi minha mulherzinha sentar-se abraçada a cintura daquele rapaz, com seu rabo gostoso empinado, partindo a toda velocidade, sumindo no horizonte.

Ao longe, mal os enxergava, até que os perdi de vista completamente, cerca de 40 minutos mais tarde volta ela com um sorriso de felicidade nos lábios, desce dos Jet Ski, me dá um beijinho me chamando de amorzinho.

Tira o colete salva-vidas, deixando os turbinados seios totalmente a mostra, pois haviam escapado pra fora durante o passeio, agradece pelo passeio e eu pago uma hora de Jet Ski.

Ela justificando ter ficado enjoada, me convida para irmos até o hotel, deixamos nossas coisas para nossos amigos cuidarem e retornamos ao quarto do hotel.

No caminho ela não me fala nada.

Chegando ao quarto deitou-se na cama, com um sorriso no rosto, soltou a canga que usava, desatou o lacinho de um dos lados do minúsculo biquíni, puxou-o, expondo sua xana, e para minha surpresa, vi sua bucetinha cuspindo uma gosma branca…

Pura porra, que maravilha, delirei na mesma hora!

Estava cheia de porra, botando para fora.

Com um sorriso me diz:

– Vem amorzinho, está do jeito que você gosta, vem seu chifrudo! Vem chupar tua esposinha que acaba de dar para outro macho.

Não resisto e caio de boca, chupando com sede aquela buceta encharcada de porra, enquanto ela me contava cada detalhe de sua traição, que era mais ou menos assim:
“Logo após saírem, a mão dela escorregou da barriga do Ricardão até se apoiar sobre a sunga do rapaz, ela logo percebeu um pau crescendo embaixo de suas mãos.
Enquanto ele pilotava, ela começou a acariciar delicadamente aquele pau, que parecia ser grande, até que ele, com uma das mãos, sem falar nada, colocou pela lateral da sunga o pau para fora, dizendo para ela:

– É isto que tu estás querendo sua safada?

Ela respondeu no ouvido dele que sim.

Ele disse que iriam parar num local sem ondas nem olhares.
Enquanto ele pilotava, ela massageava e sentia cada centímetro de um pau grande, com as bolas inchadas.

Pararam e ele desligou o Jet Ski, virou-se de frente para ela, e em pé no Jet Ski, com as costas apoiadas no guidom, ordenou:

– Chupa gostosa, que faz dias que tu está me enlouquecendo, já bati umas 50 punhetas pensando neste teu cuzão maravilhoso.

Caí de boca chupando aquele cacetão com muita vontade, quase fazendo ele gozar na minha boca, ele abriu meu colete salva-vidas e colocou minhas tetas para fora do biquíni, amassando-os com força, dizendo que eu era muita gostosa e devia te encher de chifre mesmo.

Com cuidado me levantei, invertendo de posição com ele, ficando como se fosse pilotar o Jet em pé, ele sentou-se atrás de mim, elogiou minha bunda dizendo que era o rabo mais gostoso que já tinha visto, isto que trabalhava na praia a anos, puxou meu fiozinho dental para o lado, abriu minha bunda com as duas mão e começou a lamber meu cu, dizendo que eu tinha um cuzão delicioso, lisinho, que nunca tinha visto um rabo tão maravilho, sua língua começou a lamber minha xana, que estava encharcada, sua língua abria a minha racha e descia até meu cu, com as mãos me bolinava e chupava sedento, dizendo que eu tinha um bucetão delicioso, que tinha que ser muita putinha, pois você merece ser corno, por ter uma mulher tão gostosa e ficar exibindo ela pra todo mudo.

Gozei na boca dele de tanto tesão que estava, encharcando ainda mais minha racha, não me aguentei e sentei, naquela posição mesmo, naquela vara gostosa, rebolando bastante, e gozando de novo, só no sentir aquele cacete entrar gostoso em mim.

Agora de frente para ele, fodia e rebolava gostoso, ele segurando o guidom, eu entre seus braços podia remexer, matando ele de prazer, ele dizia que eu fodia feito uma puta, mamava minha tetas e de vez em quando metia um dedo no meu cu, bem fundo, não demorou muito, ele disse que ia gozar, acelerei até sentir aquele pau começar a latejar dentro de mim, sentei fundo e gozei junto mais uma vez, senti aquele pau lavar meu útero de porra quente e abundante, gozou feito um cavalo, arrumei meu biquíni que ele só tinha botado para o lado e segurei toda a porra dele para você meu corninho…’’
Eu escutava e bebia aquele leite, inicialmente limpando o biquíni que tinha um pouco de porra que havia vazado, depois, enfiando minha língua fundo e sorvendo cada gota, de costas na cama, ordenei que minha cadelinha viesse por cima de mim, ela esfregando aquela buça na minha cara, ficou de cócoras, fazendo descer a porra que minha língua não alcançou, desceu abundante, me lambuzando o rosto e matando minha sede de porra.

Após beber tudinho, comi sua buceta ainda lambuzada e matei a vontade da minha putinha de dar o cu, já que o rapaz não o fez, não me aguentei e gozei gostoso naquele rabo.

Ela com cara de felicidade, me fez prometer que no último dia de férias, eu ia deixar ela dar para os dois na minha frente.

Eu como um bom corno manso concordei, disse que eu mesmo os convidaria, bem mansinho e submisso, como ela gosta.

Nos beijamos sentindo o gosto do pau daquele rapaz em sua boca e ela o gosto daquela porra toda na minha…

Esta estória continua, tem ainda o nosso último dia de férias…

Voltamos para a praia, totalmente satisfeitos e com muito tesão devido a situação vivida.

Chegando lá percebo os olhares dos dois para minha esposa, imagino que o comedor de minha esposa já tenha contado para seu colega a aventura da tarde, não ligo.

Minha esposinha com o mesmo fio-dental minúsculo, quase transparente provoca os dois que estão menos discretos, se aproximam para puxar assunto, conversamos com eles.

Como verdadeiro corno manso, converso sobre tudo, até que os convido para tomarem alguma coisa à noite conosco, ambos aceitam imediatamente.

À noite fomos a um barzinho, ao encontro de nossos novos amigos.

Minha estava esposa linda, e como sempre, muito provocante, com uma calça branca totalmente colada ao seu corpo gostoso, ressaltando ainda mais seu bronzeado, mostrando a marquinha do minúsculo soutien do fio-dental que usou durante os últimos dias, uma marquinha da parte de baixo do biquíni enterrada em seu maravilhoso rabo, usando uma blusa bem decotada, mostrando seus peitos grandes, turbinados e deliciosos.

Todos os homens a olham descaradamente.

Sentamos numa mesa, o lugar estava movimentadíssimo, e começamos a beber.

Minha querida esposa bebendo batidas e drinks, eu e meus amigos alguns chopes, conversamos animadamente, os dois, sem pudor nenhum, secam o provocante decote de minha esposa.

Já são 23h30 e vou ao que interessa, já que minha mulher está de pilequinho, bem alegrinha, os convido para tomarem algo em um local mais sossegado.

Enquanto saímos pergunto no ouvido de minha esposa se quer ir para um motel (?), ela responde bem ao seu estilo de putinha vadia:

– Não, vamos para o nosso Hotel, quero que todos no hotel vejam que você é um corno manso.

Vamos todos no mesmo carro, nossos amigos no banco de trás, chegamos na portaria aviso que vamos subir com dois convidados, o gerente nada fala e entrega a chave de nosso apartamento.

Chegando em nossa suíte, na salinha ligo de leve um som, minha esposa rebola, dançando sozinha, enquanto peço um litro de scotch.

Sem a mínima vergonha digo para nossos amigos, ainda tímidos, que minha esposinha está louca para dançar com eles.

Ela dança com os dois na minha frente, um deles encoxa sua bunda, enquanto o outro, ao ritmo da música, a encoxa pela frente.

Digo para eles que quero que eles a comam na minha frente, mas que não podem ter dó da sua buceta, peço que a arregacem para valer, como uma verdadeira puta ela deve ser comida.

Os dois partem automaticamente para cima dela, tocam seu corpo inteiro, sentindo-a toda, ela rebola ao ritmo da música, lentamente, tiram cada peça de roupa sua, deixando-a somente com seu salto alto e de calcinha.

O Ricardão da tarde a beija na boca com volúpia, enquanto seu amigo bolina aquele rabo gostoso, estala um tapa, dizendo que era um bundão maravilhoso, que há dias ele sonhava em poder fazer isso.

Ela pega os dois pelas mãos e os puxa em direção a nossa cama, chega meu scotch, atendo o garçom do hotel que tenta pegar algum lance do que está acontecendo, vê minha esposa só de calcinha, em pé a beira de nossa cama, abraçada aos dois rapazes, dou a gorjeta, e o deixo ver mais alguns segundos a cena e fecho a porta.

Sento-me na poltrona de nosso quarto e digo aos nossos amigos que o trato é comê-la de verdade, que a tratem como uma puta merece ser tratada, eles me atendem de imediato…

Jogam minha puta na cama, enquanto um abre o zíper e põem uma vara cabeçuda e dura para fora, oferecendo para minha amada chupar, o outro arranca sua calcinha e se depara com sua buça inchada, elogia dizendo que é o bucetão mais lindo que viu e cai de boca, chupando com vontade e abrindo sua racha com a língua, não aguento de tesão e ponho o pau para fora, e enquanto beberico meu scotch , bato uma lenta punheta vendo aqueles dois dando o que minha esposa tanto queria, e nós merecemos.

Os dois há elogiam o tempo todo dizendo o quanto ela é gostosa.

Ela engole a vara inteira enquanto com as mãos o Ricardão abre sua bunda e lambe seu cu lisinho, que pisca de tesão, ela geme como uma puta no cio, os dois estão completamente nus, trocam de posição, não demora e o que tinha o pau chupado se ajeita para penetra-la, me ajeito e vejo ele enterrar toda a vara, sem dó alguma, numa única estocada, ela grita de prazer, ele começa a bombar, dizendo que nunca tinha metido numa buceta tão quente, enquanto ela tem os gemidos abafados pelo pau de Roberto, que o faz sumir na sua boca, como se fudesse uma buceta larga, mete em sua boca carnuda.

Fodem com toda a vontade, ela geme e goza a cada estocada, Roberto não aguenta com o boquete recebido e se ajeita para também fudê-la, Ricardo deixa a buceta e observa seu irmão come-la agora, ficam se alternado, dando muito prazer pra ela.

Ela diz que quer sentir aqueles dois paus dentro dela, senta sobre Roberto fazendo o seu pau sumir inteiro, ela está toda lambuzada, encharcada, Ricardo se ajeita atrás dela e pincela seu cuzão, ela diz que não, quer os dois na frente, ordena.

Ricardo cospe na mão, lubrifica a cabeçorra e força a entrada com pau do seu irmão dentro, lentamente vai entrando, minha Amada grita de prazer, até ter os dois paus totalmente dentro, começam um vai e vem gostoso e cadenciado, percebo que ela goza sem parar, como um bom chifrudo digo para socarem sem dó, para arregaçarem aquele xoxotão, obedecem arrancando muitos gemidos de dor e tesão da minha cadela.

Roberto anuncia que não vai aguentar e seu irmão também, ele acelera e urra quase junto com seu irmão, a chamam de todos os palavrões, enchendo aquela sua buceta de porra, lentamente tiram e percebo o estado da minha mulher com a buceta toda laceada pelos dois paus e cuspindo porra, ela me olha, sorri e diz para mim:

– Vem limpá-la, seu cornudo, vem seu corno manso…

Obedeço, não resisto e caio de boca, aos comentários de nossos amigos, me dizendo para limpá-la bem direitinho, porque eu sou um corno manso tomador de leite, não me preocupo com os comentários e me delicio com aquela buceta que tanto adoro com sabor de porra.

Minha esposa me agarra pelos cabelos, esfregando meu rosto contra sua buceta gozada, me lambuzando todo, senta sobre minha cara, fazendo eu tomar até a última gota de porra que há dentro dela.

Acabo meu serviço e percebo meus amigos de pau duro, dizem que já fiz minha parte e partem para meter naquela racha novamente, metem alternadamente, dando muito prazer a minha esposa, ordenam que minha puta fique de quatro, já sei o que vem a caminho e pego um tubo de lubrificante, me prontifico a preparar aquele cu e aqueles paus, enfio a ponteira do tubo no rabo de minha mulher , inundando abundantemente de lubrificante seu delicioso rabo, seguro em minhas mãos os paus que vão foder minha mulher de novo, punheto e os lubrifico bem, espalhando lubrificante neles, ela de quatro tem as nádegas afastadas por Ricardo, enquanto Roberto aponta sua cabeça e vai forçando, fazendo sumir seu pauzão no rabo de minha mulher, mete até as bolas tocarem e começa lentamente a mexer, elogia e diz que nunca viu um cu tão gostoso, realmente ela tem uma bunda deliciosa e um cu elástico, ela rebola e pisca seu anel, dando muito prazer, Ricardo pede a vez e Roberto cede o lugar a seu irmão que mete mais fácil no cu já laceado e começa a bombar com força, arrancando gritinhos de minha esposa, ele bate em sua bunda, fode sem dó fazendo ela delirar, ele diz que é a melhor bunda que já viu, que sonhava com isso desde o primeiro dia que botou os olhos no seu rabão maravilhoso.

Com uma mão por baixo minha esposa alisa sua xana tocando uma siririca, enquanto dá a bunda para nossos amigos, me posiciono por baixo dela para lamber sua xana com aquele cacete rasgando seu cú arregaçado.

Ricardo acelera e diz que vai gozar de novo, soca sem dó, tira o pau ainda esporreando, lambuzando meu rosto, Roberto já mete em seguida naquele cú gozado, que ainda pisca, pois, minha esposa acaba de gozar, mete com vigor, entra fácil, a cada estocada roça no meu rosto aquele saco de bolas inchadas, não resisto e lambo a racha de minha mulher e aquelas bolas.

Não demora e percebo os espasmos de Roberto que goza no cu de minha mulher também, ele retira aquele pau, me faz chupar e limpar seu pau, minha esposa está acabada, mais ainda de cócoras sobre mim, me dá um banho de leite e faz eu chupar seu botão dilacerado e gozado, seu botão mais parece uma rosa, está totalmente laceado, pisca lentamente, cuspindo a porra toda que tomou, me delicio.

Nossos amigos se despedem.

Minha esposa desmaia de cansaço, álcool e de tanto gozar.

Adormeço com o gosto de porra na boca e as lembranças recém-vividas na mente.

Acordo quase 10h da manhã, aos beijinhos de minha amada me dando bom-dia com o sorriso que toda mulher bem comida sempre acorda, me convidando para descermos para nosso café da manhã e aproveitarmos os últimos instantes de nossas férias.

Acordo com a certeza de que sou um homem de muita sorte.

Sexo por Telefone

3 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.