Eu e minha mãe, somos amantes do meu tio

Meu pai ficou desempregado por um bom período, e acabou pegando dinheiro emprestado com agiotas pra pagar alugueis atrasados e também uma operação da minha avó materna. Eis que, mesmo ele voltando a trabalhar a divida com os agiotas foi ficando muito alta… Em casa eu sempre ouvia meus pais discutindo por causa de dinheiro. O irmão do meu pai; tio Davi, era engenheiro e muito bem de vida. Só que meu pai; eu não o motivo, não conversava com ele a anos. Meu pai sem ter saída, pediu pra minha mãe ligar pro tio Davi e pedir um empréstimo a ele. No dia seguinte acompanhei minha mãe até o prédio onde o tio tinha o seu escritório. Lá chegando, minha mãe pediu que eu ficasse numa lanchonete em frente até ela voltar; e se meu pai ligasse pro meu celular era pra eu não falar que ela tinha subido sozinha até o escritório. Quase uma hora depois, minha mãe desceu e fez sinal pra mim. Ao me aproximar, achei estranho o seu vestido estar um pouco fora do lugar.
– Mãe; o seu vestido está torto.
Ela rapidamente fez as costuras laterais do vestido ficar no lugar correto que era o meio das suas ancas e voltou a pedir que eu não contasse pro meu pai que ela tinha ido encontrar com o tio, sozinha. A caminho de casa fui tirando minhas conclusões, imaginando que ela e meu tio podiam ter feito até sexo… Quando meu pai chegou do serviço, vi minha mãe tirar da bolsa um pequeno volume de dinheiro e entregar à ele. Minha mãe era uma mulher de 36 anos e muito bonita: seios volumosos; bumbum grande e coxas grossas… Com quase metade da idade dela, eu era muito parecida só que em tamanho bem menor: minha mãe tinha quase 1,70 mt, e eu apenas 1,45 (baixinha). No mês seguinte novamente acompanhei minha mãe até o prédio e fiquei esperando dentro da lanchonete por bastante tempo; e novamente meu pai não podia saber que ela tinha entrado sozinha. No terceiro mês, quase a mesma coisa… Só que lá, minha mãe me pediu pra que eu subisse sozinha e que ela ia ficar esperando. Desconfiada, neguei subir e minha mãe me chamando num canto da portaria do prédio.
– Você tem que ajudar seu pai, filha… Foi seu tio que pediu pra ser você dessa vez.
– Mas mãe… E se ele quiser fazer alguma coisa comigo?
– Você deixa filha… Te garanto que não vai ter perigo nenhum… Ele prometeu que vai ser bastante carinhoso com você.
Percebi que minha mãe estava me entregando de bandeja pro meu tio. Eu não era nenhuma garotinha inocente, mas, comparar meu tio com o meu namorado era como comparar um bezerrinho com um touro adulto… Meu tio era bastante corpulento e forte.
– Vai lá filha; talvez ele queira só conversar com você.
Acabei tendo que concordar; mas assim que virei na direção da portaria.
– Ó! Fique tranquila tá? Não saia de lá sem o dinheiro que ele vai te entregar… Guarde bem dentro da sua bolsa.
Subi pelo elevador com minhas pernas tremendo e o coração acelerado. Chegando em frente a porta pensei até em voltar pra trás… Mas eu sabia que meu pai esperava pelo dinheiro, pra quem sabe terminar com suas dívidas. Toquei a campanhia e logo apareceu meu tio todo sorriso.
– Entre Tânia… Vamos pra outra sala.
Onde estávamos era uma sala de espera… A outra era realmente o seu escritório. Perto de uma cadeira giratória, ele me pegando pela cintura fez um movimento me fazendo sentar sobre sua mesa… E puxando a cadeira pra sentar bem em frente as minhas pernas.
– Você sabe por que sua mãe pediu pra você subir?
– Pra pegar o dinheiro, né?
– É… Mas primeiro você vai ter que ser boazinha pra mim.
Foi falando e alisando minhas pernas até começar a entrar por baixo da minha saia.
– Mas tio… Estou ficando com medo.
Ele começava a puxar minha calcinha.
– Não precisa ficar com medo, minha princesa… Só quero ver como é a sua bucetinha.
Tirou minha calcinha e me puxou pra ficar com minha bunda bem na beira da mesa apoiando minhas pernas em seus ombros… Ele fazendo minha saia ficar toda enrolada na minha cintura e foi aproximando o rosto da minha vagina.
– Minha nossa… Que bucetinha linda.
E ele enfiou a cara e começo a passar a língua bem no meio dos meus lábios vaginais, atingindo bem o centro da minha periquita… Não teve como.
– Uuuuuiiii… Uuuuiiiiii tio…
Fui arriando meu corpo pra trás, deitando sobre a mesa e sentindo sua forte língua querendo penetrar dentro da minha pequena valetinha… Depois de chupar bastante, e quando praticamente estava quase tendo um orgasmo, ele parou para ficar brincando só com o dedo.
– Não é virgem mais não, né?…
Não tio… Não sou mais não…
Subi um pouco meu corpo pra ficar olhando meu tio ir abaixando sua calça do terno e puxar uma espécie de mangueira pra fora… grande e grossa. Voltei a me deitar sobre a mesa sentindo buscando a entrada da minha pequena bucetinha.
– Tio; não vai usar camisinha?…
– Não precisa ter medo que eu não vou gozar dentro de você.
E aquele enorme pinto foi entrando e alargando minha bucetinha… Eu ia sentindo nitidamente o pintão do meu tio dentro de mim e meus lábios vaginais pulsando no mesmo ritmo que meu coração. Como tinha ficado muito excitada com ele me chupando, rapidamente comecei a ter o melhor orgasmo da minha vida. Tio Davi que segurava minhas pernas no alto em seus braços, continuou socando por muitos minutos ainda que me fez ter outro orgasmo mais gostoso ainda.
– AAAAHHHHHHH… AAAAHHHHHH… TÁ VINDO TIO… VAI… VAAAAIIIIIII!!!!!!!
Depois de mais um ou dois minutos tio Davi tirou da minha buceta e foi até o banheiro do escritório. Entregando-me uma toalha de rosto disse que eu poderia me limpar se quisesse. Na frente da pia, com uma mão segurando minha saia pra cima, com a outra ia molhando na torneira e passando na minha buceta que estava muito melecada com meu liquido vaginal. Ao me aproximar na mesa pra pegar minha calcinha, tio Davi sentado na cadeira alisou minhas nádegas antes de me puxar pro seu colo.
– Tá tudo bem Tânia?
– Tá tio… Tá tudo bem!…
Mesmo eu não dizendo, ele sabia que eu tinha gostado de ser usada por ele. Me deu vários beijos antes de me ajudar a vestir minha calcinha, dizendo que se eu também precisasse de algum dinheiro eu poderia ligar pra ele. Desci vendo minha mãe ansiosa e logo querendo saber como tinha sido. Fingi estar aborrecida dizendo que não queria falar nada… Na realidade eu tinha adorado ser fodida pelo tio. Na volta pra casa minha mãe falou que meu pai não podia nem desconfiar do que nos duas estávamos fazendo com o tio. Era o quarto mês que meu tio ia entregar mais dinheiro e novamente fomos as duas. No caminho, minha mãe dirigindo meio preocupada e sem olhar pra mim.
– Ó, seu tio quer nós duas hoje no escritório.
– É? Mas o que ele vai querer fazer com a gente?
– Não sei filha… Mas do jeito que ele é sem vergonha, boa coisa não é!
Chegamos, tio Davi primeiro beijou minha mãe na boca pra depois me beijar também. Minha mãe pro tio.
– Faz hoje comigo Davi… Deixa a Tânia esperando aqui fora.
– Mas hoje eu queria as duas juntas.
– Não… Não vou me sentir bem na frente da minha filha.
Ele acabou concordando, e entrou só com a minha mãe. Minutos depois, fui pra perto da porta pra ficar ouvindo.
Minha mãe: – Mais forte Davi… Oooooh! Oooooh! Como é goooostoso!… Vou gooozar!… Voooouuuuuuu goooooooozaarrrrrr!…
Ele deve ter visto minha sombra por baixo da porta, e gritou.
– Entra aqui Tânia… Vem aqui com o seu titio… Vem!…
Entrei vendo minha mãe completamente nua sobre a mesa e o tio ainda com o pinto todo enfiado na sua buceta fazendo leves movimentos pra frente e pra trás. Minha mãe me olhava assustada enquanto o tio me pediu pra tirar toda minha roupa… Obedeci. Quando voltei com meus olhos novamente pra eles, tio Davi estava de pé e minha mãe agachada na sua frente chupando seu pau que tinha acabado de sair de dentro da sua buceta. Mandou que eu deitasse na mesa pra em seguida deixar minha mãe e enfiar seu cacetão gostoso na minha pequena bucetinha. E o Tio ainda conseguiu ficar metendo forte em mim por uns cinco minutos que fui tendo o meu orgasmo enquanto ele ia gozando sobre minha barriga. Fui ao banheiro me limpar e voltando minha mãe estava no colo do tio que chupava seus peitos e alisava suas coxas. Minha mãe saiu e foi a minha vez de sentar, pra ele também chupar meus peitinhos e beijar na minha boca. Só na volta é que minha mãe falou que o dinheiro daquele dia ia dar pro meu pai saldar todas suas dívidas.
– Não vamos mais precisar voltar aqui, é?
– Bem… O que você acha? Você vai querer voltar, filha?
– E você mãe… Vai voltar?…
Ela me olhando e sorrindo.
– Você gostou do seu tio, não é?…
– Gostei sim, é você?…
– Também gostei… Você acha que eu devo voltar?
– Desde que o pai não fique sabendo, não vejo problema nenhum.
Minha mãe disse que o tio Davi era doido pra leva-la no motel, mas que ela sempre teve medo e preferia no escritório porque eu podia acompanha-la pro meu pai nunca desconfiar. Rapidamente achei a solução pra nós duas. Disse que ela podia combinar de encontrar com ele dentro do estacionamento do shopping, onde ela podia deixar o carro e entrar no dele usando óculos escuros. E assim combinaram de fazer, mas eu tive que ir junto até ela entrar no carro do tio… Fiquei quase três horas dentro do shopping até minha mãe retornar sorrindo de orelha a orelha. Dois dias depois, peguei o numero do celular do tio com minha mãe e liguei… E ela sabia exatamente pra que eu queria. O Safado ficou todo assanhado.
– Você não quer vir aqui no escritório, Tânia?…
– Ai tio? Não seria melhor em outro lugar?
– Safadinha… Quer que te leve no motel também, não é?
Foi minha primeira vez dentro de um motel. Ficamos quase quatro horas e adorei ficar pelada com ele explorando todo meu corpo, me beijando muito na boca, mamando nos meus peitinhos e por incrível que pareça me fazer ter um orgasmo só chupando minha xoxota. Depois ele deve ter ficando socando gostoso na minha xoxota por mais de 20 minutos me fazendo ter um segundo antes de tirar e me lambuzar com o seu gozo. Eu e minha mãe passamos a ser as amantes do tio, que pelo menos uma vez por semana levava uma de nós pro motel. Mas não demorou muito pra lavar nós duas juntas, e, durante horas nos foder de todas as maneiras. Foi vendo minha mãe mamando no tio e toda feliz levando pau na bunda que acabei também fazendo o mesmo. Eu já tinha dado a bunda várias vezes pro meu namoradinho, mas, quando dei pela primeira vez pro tio (na frente da minha mãe), gritei feito uma cadelinha e rezei pra todos os santos antes dele encher minhas entranhas com seu gozo… Acabei acostumando. E foi minha mãe também, que me fez dar pro meu próprio pai (mas essa já é outra história que pretendo escrever)

LibidGel

One Comment

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.