Ela me deu a buceta lotada de porra

Desde que casei tinha uma enorme vontade de chupar minha esposa cheia de porra. Sempre procurava contos e vídeos a respeito disso. Mas nunca criava coragem de dizer isso a minha esposa. Uma vez por mês eu e ela saímos para jantar fora, sair um pouco da rotina, conversar e muitas vezes até ir pro motel pra fazer amor de um jeito mais intenso. No meio de um desses jantares pedi a ela se poderia contar uma coisa. Ela me disse que claro que podia falar. Pediu se eu tinha aprontando algo. Respondi que não. Que apenas queria contar a ela um desejo meu. Falei a ela então que seria muito comprometedor falar aquilo e alguém poderia escutar. Pedi pra ela pegar seu celular que eu mandaria uma foto. Nesse momento mandei a ela algumas fotos, onde as imagens eram de calcinhas meladas de porra, outras onde o corninho limpava a buceta da esposa gozada por outro, e também onde o corno olhava a esposa

transar sem a participação dele, com alguns dizeres nas fotos: tô sentindo ele me encher de porra seu corno, deixa essa bucetinha limpinha meu corninho, ele gozou dentro outra vez meu corno, pronto corninho agora vem limpar. Ela olhou aquilo e ficou meia sem jeito, sem ter uma reação. Perguntou o por que das imagens. Relatei a ela o meu desejo. Ela disse que já viu algumas histórias parecidas, onde os maridos eram submissos e me pediu se eu tinha mesmo vontade, se eu aceitaria ver ela cheia de porra de outro. Falei que sim, que era meu desejo. Começamos a jantar e a beber e nossa conversa sobre aquilo foi ficando cada vez mais quente. Meu pau estava prestes a explodir dentro das calças de tanto tesão. Ela usava um vestido preto bem justinho aquela noite com um generoso decote. Nossa mesa era mais retirada, então sem ninguém perceber levei minha mão até sua bucetinha e acariciei de leve.

Sexshop

 

Pude sentir o quanto estava melada, então sugeri a ela fazermos algo aquela noite já que os dois estávamos com o desejo a flor da pele. Ela topou na hora. Nossa dúvida era somente com quem seria, como seria, pois nunca fizemos isso antes. Era somente relatos e vídeos que passavam em nossas cabeças. Era necessário ser alguém de confiança, com sigilo pois quem faz isso mesmo sendo um desejo oculto e prazeroso é muito julgado pela sociedade. Ela mencionou um velho amigo que sempre lhe dava algumas cantadas, mas que no momento ele estava namorando. Falei a ela que era melhor ainda, pois daria uma impressão de sigilo. Ela chamou ele no whats e começaram a falar um pouco. Pediu como ele estava, se estava sozinho e tal. Ele até estranhou dizendo que ela nunca falava com ele. Então ela foi direto ao ponto. Mandou a seguinte mensagem para ele: vou ser bem sincera com você, lembra que sempre me mandava mensagem pra gente sair, naquela época eu era muito certinha e não gostava de aprontar,

 

porém hoje sou mais liberal, e não sei por que, mas vim dar uma volta sozinha e estou cheia de tesão com minha bucetinha toda molhadinha querendo uma rola e pensei em você, está a fim agora? Ele respondeu com carinhas de espantado, e mandou a mensagem dizendo que se não estivesse a fim com uma mensagem daquelas ficaria a fim na hora. Ela pediu se poderia ir até seu AP naquele instante, mas que não poderia demorar muito, pois havia saído com algumas amigas e já iria para casa. Acertamos a conta no restaurante e fui levando ela rumo ao meu chifre, minha fantasia. Ainda no caminho ele mandou uma mensagem se era mesmo sério ou ela estava zoando com ele. Então ela abriu as pernas, puxou a calcinha de lado, mostrando sua bucetinha bem molhadinha e mandou uma foto a ele pedindo se ele acreditava ou não. Disse que estava quase chegando. Chegamos em frente, ela pediu se podia mesmo ir. Dei um gostoso beijo nela e disse: pode sim minha putinha, mas traga essa buceta toda gozada pra mim. Ela me

disse: tá bom meu corninho, trago sim, pra você chupar e limpar todinha. Combinamos que após ela voltar iríamos ao motel para eu aproveitar minha fantasia ao máximo. Desceu do carro e entrou no prédio. Eu estava com o pau que parecia gozar sem tocar nele, só de imaginar. Mas não demorou muito ela desceu, em torno de 20 minutos. Pensei comigo mesmo, deve ter acontecido algo, talvez a namorada dele os pegou, sei lá. Entrou no carro, me beijou e disse: vamos pro motel rápido amor, minha bucetinha precisa gozar logo. Pedi a ela oque tinha acontecido, o por que de descer tão rápido. Me disse que lá me contava tudo. Como era perto, em menos de 5 minutos chegamos. Entramos no quarto e ela me agarrou, me dou um beijo gostoso, mas dava pra sentir um gosto em seus lábios. Com certeza ela

 

chupou o pau dele. Me ordenou tirar a minha roupa e deitar na cama e ficar calado. Obedeci. Ela tirou seu vestido e ficou só de calcinhas. Veio por cima de mim chupando meu pau que já babava de tesão. Veio e beijou minha boca, esfregando a buceta pelo meu corpo. Eu não sabia oque estava acontecendo, pois cada vez que pedia a ela pra me contar ela me dava um tapa na cara. Veio subindo mais, passava pelo meu peito. Eu sentia a calcinha dela molhada, mas sabia que era do tesão e vontade que ela estava. Derepente se aproximou da minha boca, e esfregava bem devagarinho. Ela então puxou a calcinha de lado, mostrando sua bela buceta carnuda. Nesse momento abaixou na minha cara, na minha boca, e disse: toma seu corno manso, chupa essa buceta fodida, chupa toda essa porra que tem aí vagabundo, deixa minha buceta limpinha corno. Eu rasguei a calcinha dela pra aproveitar ao máximo. Sua buceta estava toda alargada e cheia de porra. Eu nem podia acreditar, naquele curto espaço de tempo ele gozou nela, tão

rapidinho. Eu chupava de uma forma que nunca chupei antes, colocava a língua lá dentro, chupava os beiços, ela todinha. Minha esposa esfregava na minha cara e me xingava, falava que precisava gozar, chupei mais forte ouvindo ela dizer isso, quase sem ar, pois me sufocava sentando em minha cara, nisso ela treme as pernas, geme alto e solta todo o resto de gala que havia dentro dela na minha boca, misturado ao seu gozo, me deixou com a cara toda melada. Não teve mais forças e deitou na cama abrindo as pernas. Olhei aquela buceta toda gozada, toda melada, e na posição papai mamãe coloquei meu pau dentro dela. Foram poucas bombadas, pois já estava prestes a gozar, então enchi ela de porra, gozei mesmo como um verdadeiro touro. Quando tirei meu pau, a buceta já escorria porra de dentro, toda aberta e inchadinho. A beijei bem gostoso, apaixonado por ela ter realizado minha fantasia. Me contou que ao entrar

 

no apartamento dele já estava só de sunga, e o pau duro feito pedra, agarrou ela e a beijou, colocou ela de quatro no sofá, só levantando o vestido e puxando a calcinha pro lado, e que em pouco tempo gozou bem no fundo. Disse que na hora que sentiu ele próximo ao gozo pediu pra gozar na buceta, que ela adorava leite dentro. Depois ajeitou a calcinha, deu uma bela chupada no pau dele melado e saiu rápido pra me dar, estava com vontade pois ele não deixou ela gozar. Depois disso meu pau estava duro outra vez e ela pronta para ser mais uma vez fodida aquela noite. Ficou de quatro e eu fui por trás dela, empinou bem seu rabo, deixando a xota bem a mostra. Não resisti, cai de boca, chupando mais uma vez ela toda gozada, desse vez minha porra junto. Então coloquei meu pau na entrada e mandei ver, mas estava literalmente arrombada, aberta, gozada e lubrificada. Mudamos de posição, fizemos tudo aquela noite, ela gozou outras vezes. Quando fui gozar deixei ela de frango assado e enchi mais uma vez de porra. Ela quis

 

tomar um banho antes de ir pra casa, mas não deixei. Queria ver sua buceta daquele jeito ao irmos para a cama. Porém estava muito aberta, ela não iria conseguir segurar a porra dentro, e a calcinha eu havia rasgado. Então só colocou a calcinha na raxa segurando com a mão mesmo, nem o vestido ela colocou. Chegamos em casa e corremos para o quarto. Me deitei na cama e ela por cima com a buceta na minha cara. Ficando fazendo um 6×9. Ela abocanhou meu pau já duro outra vez. Eu chupava a buceta dela com minha porra outra vez. Chupadas a parte, mas minha esposa faz um bokete sensacional, com o pau todo na boca trabalhando muito bem com a língua na cabeça, impossível não gozar. Ela começa a se contorcer toda, gemendo, e tremendo as pernas. Gozamos os dois ao mesmo tempo. Ela na minha cara toda melada e eu em sua boca. Nos beijamos falando do ocorrido. Ela relatou que sentiu muito tesão em me ver realizado daquela forma. Foi uma experiência incrível. Faríamos outras vezes com certeza devido ao tesão que nos proporcionou. As vezes gozo só de lembrar.

Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.