Como descobri meus chifres

Bom esse é meu primeiro relato, me chamo João, tenho 28 anos, sou alto, moreno, me considero até um pouco atraente. O que vou contar hoje aconteceu quando minha namorada Daniella e eu decidimos morar juntos. Não chegamos a nos casar, então falamos que ainda somos namorados. Ela é uma linda mulher, 26 anos, baixa, com luzes nos cabelos, uma bunda enorme, coxas grossas, seios lindos, e uma bucetinha molhadinha. No inicio de nosso namoro sentia muito ciúme dela, e as vezes para me fazer raiva ela me provocava dizendo que ela dava pra outro, e eu morria de raiva, costumava dar beliscões nela quando fazia isso e ela parava,

chegamos a brigar por causa disso.
Mas a um tempo atrás, em uma de nossas transas, em meio a tanto tesão, ela diz:
– Isso, me fode cachorro, faz o que o meu namorado não faz!
Aquilo me deu uma raiva na hora, mas eu vendo aquela cara de vadia dizendo isso lhe dei um tapa na bunda e disse:
– Então seu namorado não faz isso sua puta?
– Não! Me fode com força!
Fiquei louco com aquela cena e meti com muita força naquela vadia. Quando ela viu que eu gostei, começou a falar mais e mais, fiquei mais louco ainda quando ela disse:
– Mete na bucetinha da namorada do seu primo, mete Marcos!
Marcos é um primo meu que de vez em quando dorme aqui em casa, pois trabalha em um comércio aqui perto, as vezes ele vem tomar uma cerveja conosco, e como a sua casa fica longe, ele dizia ter medo de dirigir embriagado. É uma cara solteiro mas muito pegador, loiro, alto, forte e muito gente fina. O típico Ricardão! Continuarmos a trepada e eu gozei como um louco com ela falando o nome dele e me pedindo pra dar o leitinho do Marcos na boca dela!
Depois disso fiquei com aquilo na cabeça, e perguntei se ela tinha tesão pelo Marcos, ela negou, disse que era uma mulher de família, e que num sei o que, ficou uma fera e disse que não diria mais aquilo, porém eu havia adorado ouvir aquilo supliquei:
– Não, por favor não pare, eu adorei!
E ela se dizendo ofendida disse que pensaria no caso. Eu fiz de conta que engoli o teatro dela de moça de família pois já suspeitava o que tinha arrumado desde que ela começou com as tais brincadeiras.
Um dia já não estava mais me agüentando de curiosidade de saber se ela realmente sentia algo pelo Marcos, do serviço liguei para o marcos e chamei-o para passar a noite lá em casa, afinal era sexta-feira e ele largaria serviço quase no mesmo horário que eu, liguei para Daniela e avisei:
– Amor, prepara algo pra comer, vou levar umas cervejas porque o Marcos vai passar a noite com agente hoje!
Na hora pelo telefone senti a respiração dela mudar mas não disse nada. Chegando a noite cheguei em casa e me surpreendi, estava com uma minissaia bem curtinha, uma camisa decotada que mostrava os deliciosos seios, ela estava na cozinha, comecei a empurrar ela na pia deixando ela louca, e dizendo que estava uma delicia, e ela me empurrando dizendo que ele estava pra chegar. Nisso a campainha toca, fui receber o rapaz, conversamos e ele foi entrando, quando viu minha namorada não pode esconder a cara de desejo, se cumprimentaram normalmente e entramos. Era noite de verão e estava muito calor, moramos numa casa que tem um quintal muito bom pra passar em dias quentes, com um telhado colonial e uma área aberta se quiser tomar um sol. Chamei-os para ficar lá fora, levei a cerveja, e Marcos que sabe que eu gosto de uma pinguinha, trouxe uma da roça pra eu tomar, nisso já percebi a cara maliciosa dele pra cima dela quando me entregou a pinga, pois eles já sabem que quando eu misturo cerveja e pinga rapidinho eu pego no sono! Comecei a lembrar de todas as vezes que ele trouxe, eu bebi, e acabei indo dormir, deixando os dois sozinhos! Comemos, bebemos, eu bebendo cerveja e fingindo que virava a pinga, e jogava fora no ralo de um tanque que tem no quintal, já deixava o copo na beirada. O som ligado papo rolando, e eu disse que ia dormir, que não estava agüentando mais. Vi quando os olhos deles brilharam, e pude crer, esta noite eu pego os dois no flagra! Minha namorada para não dar manota disse:
– Há, já vai dormir amor? Tá tão cedo, fica mais um pouquinho depois você vai.
Mas torcendo pra eu ir logo.
Dei lhe um beijo e despedi de Marcos, fui para dentro de casa e tranquei a porta. a porta possuía um vidro fume, no qual só era possível ver de dentro pra fora, e se eu estivesse lá ninguém veria, possuía um sistema parecido de apartamentos, que só abre com as chaves ou por dentro com o interfone. Eles ficaram presos do lado de fora, e pra entrar teriam que me chamar. Entrei e fui para a cama fingir que dormir, pois imaginei que um deles fosse conferir, dito e feito, não demorou nada a safada apareceu na janela conferindo se eu estava realmente dormindo, voltou correndo pra lá, ajeitei a cama para que parecesse que estava enrolado na coberta se eles voltassem lá pra olhar. Esperei uns cinco minutos e fui para perto da porta, de fora não se via nada lá dentro, mas eu tinha uma visão completa de fora. Que visão eu tive quando eu cheguei do vidro, os dois bebendo juntos, até aí normal, mas ela estava sentada no colo dele, ele com a mão dentro de sua minissaia, e ela dando gemidinhas baixinho, ele fez isso e ela já levantou, ele se sentou em cima da mesa e ela foi descendo e abrindo o short dele, quando tirou pra fora tive um susto, uma verdadeira mangueira com cerca de 20cm, minha namorada caiu de boca chupando aquela cabeça enorme que mau cabia em sua boca, eu sentado ao lado do vidro assistindo tudo, deu uma mistura de raiva e tesão que comecei a me masturbar ali mesmo, ela chupava como uma esfomeada, quando já tinham certeza de que eu já estava dormindo começaram a fazer mais barulho, ela falando com ele:
– Me fode, mostra como é uma rola grossa na minha boceta e no meu rabo!
Me deu tanta raiva porque a FDP nunca me deu o cu! E a bundinha dela merecia, um rabo com marquinhas de biquine, só aquela faixa branca no rego… uma delicia!
Ele pôs minha namorada de quatro encima da mesa, e de onde eu estava pude ver quando ele levantou a saia dela, só colocou a calcinha para o lado e encaixou a pica na boceta dela, ela deu um gemido delicioso, ele metia como um louco e ela dizendo:
– Mete vai, faz seu primo corno de novo!
Eu fiquei puto, de novo FDP, então sempre que eu dormia ele fodia minha namorada, por isso as brincadeiras dela, já estava tentando era ver como eu ia aceitar isso!
Levantei e fui tomar água, quando voltei não acreditei no que via, ele estava lambendo aquele rabinho delicioso dela, ela nunca me deixou fazer isso… mas estava com tanto tesão que não queria estragar a visão! Sentei no chão em frente ao vidro e olhando, ele já estava enfiando um dedo, depois dois, três… minha nossa, aquilo tudo era socado no rabo da minha namorada, quando pensei que era só isso lá estava ele em pé tocando uma e cuspindo no pau, de repente escuto ela dizer:
– Vai safado, come esse cu, que eu guardei ele esse tempo todo pra você, meu namoradinho nunca tocou nele!
Ele respondeu:
– É serio você nunca deu esse cu pra ele?
– Aham!
-Então esse rabo deve estar carente de piroca!
Ela com cara de safada virou pra trás e respondeu somente:
– Mete logo!
Com uma tremenda cara de puta, ele não agüentou e fez o que qualquer um teria feito, colocou a cabeça na portinha e começou a forçar, sinceramente tive dó dela nos primeiros momentos, uma cabeça que se compara facilmente com uma bola de tênis, pra entrar foi difícil, e cada centímetro que ele entrava tinha que dar uma cuspida pra entrar mais, e ela de quatro com o rosto debruçado na mesa, a expressão não era de que estava uma delicia, eu via quando a piroca dele começou a bombar, as pernas dela ficaram até bambas, pude ver quando ela tentava se mexer que as pernas não tinham força, naquela hora ela já parecia estar morrendo de prazer, pois estava até tremendo de tesão! Fiquei louco vendo aquilo, uma pica enorme e grossa dentro de um cu que até então nem meu tinha sido! Aquela puta estava me fazendo de corno, e o pior, eu estava adorando! Que merda era aquela, o cara bombou como louco, ela gemia e pedia mais, falava que eu era corno, que ela ia dar pra ele sempre, que eu merecia, ela gozou como louca dando o cu, e ele vendo aquilo anunciou que ia gozar também, só vi quando ela falou:
– Para, vem cá me dar leite na boca!
Ele na hora tirou aquele pau do cu dela e socou na boca, eu nem acreditei que ela chupava o pau que acabou de sair daquele cu, ele gritou:
– Bebe leite sua vagabunda! E ela respondeu!
– Da leitinho na boca da mulher do priminho dá?
O incrível, era que enquanto ela tomava a porra dele olhava para o vidro como se estivesse me vendo! E eu louco de tesão tocando uma, quando escorria porra na boca dela eu gozei de tesão! Ele encheu a boca dela de porra! Logo pararam e vestiram as roupas, vi que estava na hora de sair dali, voltei pra cama, não demorou nada vieram pela janela me chamar pra eu abrir a porta, fingi dormir e acordar assustado, ela me chamando da janela dizendo:
– Amor, vem despedir do seu primo, ele ta indo embora!
Eu levantei e abri a porta e fui me despedi dele, ele meio suspeito dizendo que já estava tarde e eu o chamei pra ficar que o combinado era esse, mas ele insistia que tinha que ir, então ele foi embora. Daniella veio pra cama, quando chegou pertinho pra me dar um beijo estava com a boca cheirando a porra, eu lhe disse como quem não quer nada:
– Que cheiro de porra você está na boca!
Ela respondeu descarada:
– É a porra do seu primo, você dormiu demais, e ele fez o serviço por você!
Ouvindo aquilo lembrei do que aconteceu e fiquei morrendo de tesão, comecei a come-la, a vagabunda pensou que eu comi ela imaginando as besteiras que ela estava falando, mas na verdade estava era me lembrando do que vi! Não deixem de votar em breve vou contar como convenci minha gata a dar o cu pra mim, claro, depois de ela dar pra outro!

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail