Casada e enrabada por um garoto juvenil

Casada a 20 anos, sou loira, tenho 41 anos, corpinho mingon, bundinha arrebitada e bem sucedida financeiramente.
Certa vez estávamos passando um fim de semana prolongado na nossa chácara e resolvemos fazer um churrasco para uns poucos convidados.
Só por volta das oito horas da noite é que minha única filha chegou, muito sorridente, com um grupo de amigos. Ainda tinha comida, mas o churrasco mesmo já havia acabado.
Meu marido foi até a piscina e me comunicou o fato e eu, a contragosto, saí da piscina e fui ajeitar as coisas para minha filha e seus amigos.
Minha filha estava acompanhada de um grupo de 6 amigos, 4 meninas e 2 meninos, nesse grupo havia um rapaz simpático, devia ter uns 17 ou 18 anos.
Vi o grupo na sala e fui me aproximando. Foi quando ela me apresentou os amigos. Patrícia, Fernanda, Gisele, Amanda, Roberto e Luan. Luan era moreno jambo, bem franzino e bem educado, não deu nem tempo para que eu esticasse a mão lhe cumprimentando. Se levantou e abraçou-me com grande entusiasmo, beijou minhas faces.
Eu estava só de biquíni e aquele abraço me envolvia inteira. Sentia meus seios carinhosamente amassados naquele peito jovem sentindo uma das mãos dando quase toda volta no meu corpo. A outra mão, um pouco abaixo da cintura, tocando bastante da parte superior da minha bunda desnuda não coberta pelo biquíni.
Enquanto minha filha subia as escadas para mudar de roupa, conversamos trivialidades e acabei por conhecer um pouco mais sobre os amigos. Descobri que eles já conheciam minha filha a algum tempo e que já até tinham ido outras vezes em casa como amigo, mesmo eu não lembrando. Notei que o Luan não parava de olhar para minhas pernas e aquilo de certa forma estava mexendo comigo.
Minha filha voltou e então fomos para a área comer e beber alguma coisa. O tempo passava e enquanto conversava com outros casais notava que o garoto disfarçadamente me observava.
Afinal era apenas um moleque, o que passava comigo?
Aquilo estava realmente mexendo comigo, eu mesma não me reconhecia. Estava trêmula, arrepiada, tesuda, excitada.
Distraída com meus pensamentos não percebi que ele se aproximara. Quando notei, ele estava pegando minha mão. Disse que minha filha havia pedido para perguntar se haveria alguns colchões disponíveis para ele e o pessoal dormirem a noite na casa. Respondi que precisava ver no quarto de cima se haveria algum, me dirigi ao quarto para procurar e o Luan me seguiu.
Entramos no quarto e fui procurar atrás do guarda roupas, foi quando o garoto me surpreendeu dizendo que eu era muito linda e que ele não conseguia parar de me olhar. Sem jeito agradeci e não sabia mais o que dizer, uma pasmaceira se estabeleceu naquela quarto por um instante. O garoto me olhava profundamente nos olhos e com um silêncio ensurdecedor o inevitável aconteceu: Ele veio bem perto e beijou minha boca…nossas línguas começaram a se entrelaçar em um delicioso beijo sendo ele plenamente correspondido pelos meus lábios…minha língua…Empurrei-o e dei-lhe um tapa no rosto!
Ouvi então minha filha nos chamar, e de forma rápida sai e pedi para ele descer e ver o que ela queria.
Fiquei aflita. Nunca sentira tanta raiva e tesão ao mesmo tempo. Estava me sentindo uma puta. Mais de vinte anos de casamento e aquele garoto chega, de repente, e esculhamba num segundo todos meus alicerces, minhas arquiteturas de casamento, de família… Como eu estava querendo ele, e como estava odiando (e amando) tudo isso.
Fui para o meu quarto, abri o guarda-roupa e olhei no espelho e vi que estava com o rosto vermelho, pegando fogo. Senti um arrepio se espalhar no meu corpo. Eu estava doida. Como estava só de biquini e já estava noite, resolvi colocar uma roupa. Acabei escolhendo uma saia rodada, tipo estudante, e vesti por sobre o biquíni. Desci correndo para servir a janta para o grupo.
Na cozinha minha filha terminara meu trabalho e os amigos estavam comendo. Luan perguntou se podia me falar um segredo sobre o churrasco e minha filha sorrindo (e inocente) disse que sim.
Ele veio até mim e no meu ouvido disse que queria ter uma chance comigo, disfarçou para minha filha não entender e quando se afastou perguntou quem era o churrasqueiro.
Ela disse que era o pai e ele rindo disse que eu podia contar a ele o elogio que fizera. Enquanto eu ria, trêmula, disse para disfarçar, que ele achara maravilhoso a carne como o das mais famosas churrascarias.
As horas passavam, como já eram quase meia noite os amigos saíram praticamente todos juntos para dormir, meu marido foi para o quarto ver televisão, e já tinha bebido tanto que adormeceu rapidamente. Só haviam ficado nós 3 na casa. A noite caia e eu fui molhar as plantas ao redor da varanda dos fundos. Luan sentou no sofá da sala para ver televisão com minha filha. Em determinado momento minha filha me chamou para ver um trecho interessante do programa e eu encostei-me à janela para ver. Assim que eu encostei-me Luan disse que iria pegar uma bebida e tomar um ar.

Ele saiu, e percebi que de longe ele me olhava. Notei que seus olhos não saiam de minhas bunda e aquilo estava mexendo comigo.Percebi que ele se aproximara, ele veio até a janela e ficou ao meu lado. Como minha filha estava do lado de dentro da sala ela não conseguia perceber o que acontecia do lado de fora. Luan encostou do meu lado para olhar a TV, e discretamente sua mão direita começou a me tocar nas ancas e aos poucos deslisava sobre meus glúteos. Meu coração parecia que iria sair pela boca, não sabia o que fazer.
Eu tentava manter os comentários sobre a notícia com minha filha enquanto a mão do Luan alisava minha bunda.
As pernas tremiam, o corpo se arrepiava e eu queria mais e mais. Meu marido (dormindo no quarto) e minha filha cara a cara comigo só faziam estimular ainda mais a minha libido e toda minha vergonha, meu acanhamento, não existiam naquele delicioso momento. Eu estava quase ofegante. O orgasmo se aproximava. Eles iam notar e veio um desespero enlouquecedor. Eu não queria sair dali. Eu não podia continuar ali.
Veio o intervalo minha filha levantou e veio até a janela dizendo que ia dormir. Ele disse que ia ficar mais um pouco me fazendo companhia e vendo a TV.
Ela me deu um beijinho no rosto e me pediu para não abusar da companhia dele, rindo! Será que ela notara algo? Ela, espreguiçando, subiu para o quarto. Assim que a porta do quarto se fechou disse para ele parar com aquilo, que já havia passado dos limites.
Peguei e fui tomar um banho gelado de piscina para apagar o fogo. Mergulhei e fiquei uma meia hora sozinha na piscina, como já estava tarde resolvi sair.
Aproveitei e fui tomar um banho no banheiro de fora da casa para não acordar os hospedes e poder lavar meu cabelo. Como de costume, acabei nem trancando a porta com chave.
Tomei meu banho e quando estava me trocando senti uma mão tocar minhas costas! Levei um baita susto, quase desmaiei, Luan então me abraçou e me beijou na boca.
Dessa vez correspondi e sugava sua língua com maestria, não havia mais o que eu controlar. Luan desceu sua boca até meus seios e mamou como nunca ninguém havia mamado neles antes.
Eu não tinha condições de dizer uma só palavra, meu corpo inteiro ainda era só prazer e medo, muita adrenalina e orgasmo juntos.
Num lampejo de arrependimento eu realmente esbocei uma reação de fugir daquele garoto, mas um beijo na boca sentindo sua língua me invadir me dissuadiram de qualquer tentativa eficaz.
Ele me virou de costas e senti suas duas mãos percorrerem minhas costas, passando pelas nádegas, alisando minhas coxas, e entrando entre as nádegas sua mão direita procurou meu sexo. Estava completamente molhada!
Será que é agora que vai acontecer? Minhas pernas estavam tremulas.
Perguntei a ele:
“-Você tem camisinha?”
No que ele respondeu:
“-Não!Quero sentir você por inteira!”
Senti ele se aproximando, sua respiração mais próxima, tentei argumentar que era perigoso fazer sem camisinha, ele então mordeu e beijou meu pescoço. Virei minha cabeça procurando sua boca e nos beijamos.
Nesse momento senti seu mastro jovem tocar minhas nádegas, descompassado ele batia de um lado a outro de minhas vultuosas nádegas com as marcas das pequenas calcinhas que uso.
Me escorei com as mãos na parede. Sabia que o momento chegara, abri um pouco as pernas e Luan mais do que depressa encaixou seu mastro no meio de minhas pernas. Suas estocadas iniciais não encaixavam. Ele então com a mão direita segurou minha nádega direita abrindo-a e direcionou seu pintinho na minha bucetinha. Senti entrando, pele com pele, bem devagar…o garoto me possuia e eu estava indo a loucura.
Aquele garoto, tinha idade para ser meu filho, estava me comendo sem camisinha, e eu estava adorando! Enquanto fazia seu vai e vem Luan acariciava e apertava meus seios.
Luan tinha um penis jovem, e eu uma mulher madura me deixava possuir. Senti o garoto se estremecer num gozo aumentando o ritmo, e eu o acompanhava num gozo incrível.
Nessa hora, com a voz embargada pedi:
“-Não goza dentro!”
Ao ouvir isso Luan não aguentou!
“-Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!”
Luan gozou dentro inundando meu vagina com seu leitinho que de tamanho gozo escorrera pelas pernas!
Eu estava em devaneio. Todos os homens que namorei na adolescência voltavam a minha mente, eu estava namorando.
Sentindo que eu havia gozado, ele tirou seu pau, me abraçou pelas costas e beijou minha nuca.
– Você é muito gostosa! Quero você só pra mim! Fica comigo, fica comigo!Disse ele
– Claro meu amor, serei toda sua. Disse.
Aproveitamos que estávamos no banheiro e tomamos uma ducha.
Pegamos rápido nossas roupas e fomos para a cozinha.
Na cozinha ele tentou pegar em minha mão para me beijar.
– Vamos parar por aqui, está ficando muito arriscado.
Dei último beijo em sua boca, de selinho. Nos despedimos e cada um foi para o seu quarto.
No dia seguinte fingimos não ter acontecido nada. Meu marido e filha não perceberam.
Desde então não tive mais relações com o Luan, na verdade o vi poucas vezes. Acredito que tenha sido apenas uma aventura, mas não descarto que no futuro possa haver algo a mais.