Boquete pros Policiais me liberarem, não foi o suficiente…

Eu e meu namorado, Álvaro, estávamos voltando de uma festa da minha família. Era um sábado a noite, e eu iria dormir na casa dele. Passei a festa inteirinha o provocando, tadinho, não podia reagir, minha mãe, priminhas inocentes, avós estavam todos lá… E eu adorava…rs! Dava pena de ver a carinha de desespero dele quando eu botava o pirulito (era festa de criança) na boca e chupava de uma forma bem sacana olhando com aquela cara de cachorra..rs. O Álvaro é louco por um boquete e eu amo cair de boca em um bom pau. Nossa, me acabo!!! Ele não parava de me chamar para ir embora, dizendo que estava com sono, cansado, enfim…praticamente me tirou da festa arrastada!
– Você é uma cachorra mesmo, né? Fica me maltratando, isso não se faz, sua cadelinha!
Isso ele já falando e tirando o cinto, desabotoando as calças e pondo para fora meu pirulito favorito.
– Agora vem aqui, você vai chupar bem gostoso até a gente chegar em casa. Lá eu vou te dar um castigo merecido!
– Nossa amor, que tesão de pirulito! Vou chupar ele todinho, mas só quando chegar em casa, tá bom? Não quero te desconcentrar na direção. Dei uma piscada de olho para ele.
Mas logo ele pegou minha cabeça com vontade em direção ao seu mastro delicioso e eu não esbocei mais nenhuma reação, ao contrário, fui de muito bom grado… Porém não abocanhei logo de cara .. Fui passando a língua em sua perna ao mesmo tempo em que passava minha mão a sua virilha. Depois eu trocava, minha língua na virilha e a mão na perna, até que a mão subiu para o saco. Ai eu parei e comecei a fazer 1 massagem deliciosa, a mão subiu para o mastro iniciando 1 punheta e enquanto isso a língua passou a cuidar do saco. Lambia gostoso, sugava com jeitinho e ele já me pedindo, implorando para abocanhar seu pau. Como já o tinha torturado muito, desde a festa, resolvi obedecer meu macho. Subi passando a ponta da língua no seu pau fazendo zig-zag, e quando cheguei na cabeça, desci com a maior fome, engolindo tudo. Aumentei a velocidade e meu macho dirigindo, ficava se contraindo, gemendo de prazer, peguei o pau dele e comecei esfregar nos meus fartos seios, até que ele avistou ao longe o que parecia ser uma blitz e me falou. Como já estava quase explodindo de tesão, não deixou eu parar.
– Que isso tesão, quer que os policias nos flagre é? Deixa eu levantar, em casa continuamos.
– Não Bia, estou quase gozando, não pára não. Olha, até chegar neles eu já gozei, vai minha cachorrinha, continua chupando com essa competência que só você tem e faz seu homem gozar gostoso nessa sua boquinha linda, anda.
Bom, depois desse pedido que foi quase uma suplica, não poderia deixar de atender o comedor oficial da minha xaninha, né? Voltei a me empenhar em satisfazer meu macho gostoso, mamando feito uma bezerrinha faminta.
– Ahhhhh Bia, nossa! Que tesão amor, vou gozar, ahhhhh estou gozando minha putinha…toma o leitinho do seu homem, engole tudinho, vaiiiiii….
Delíciaaa adoro fazer meu puto gozar assim…Quando terminei de engolir até a última gota, percebi que o carro parou, rapidamente me levantei e me deparei com um policial!!! Ele não chegou a ver a cena, porém o movimento que fiz quando voltei a me sentar, denunciava o que eu realmente poderia estar fazendo. Ele me olhou de um jeito bem sacana e pediu os documentos do carro e habilitação.
– Autoridade, já vou logo adiantando que tem umas coisas ai que não estão ok, certo? Nada de mais…detalhes da revisão que ainda não tive tempo de arrumar. Bem, enfim, o que a gente pode fazer para adiantar essa inspeção?
– Como assim rapaz, não estou lhe entendendo, seja mais específico.
– Bom, como disse os documentos estão pendentes, nada de muito comprometedor e para adiantar o meu expediente e o seu, queria saber o quanto, ou com quanto eu posso colaborar, entendeu?
– O quanto, ou com quanto você pode colaborar? Esta falando em dinheiro moleque?
– Ah autoridade, nós sabemos muito bem que o governo não dá o devido valor que vocês realmente merecem né? Então, R$50,00 resolve o problema? R$100,00….?
– Desce do carro moleque! Vou te revistar, a coisa não tá ficando nada boa pro seu lado. Documentação pendente e tentativa de suborno!
Nossa, já estava começando a ficar nervosa, sentia que a coisa não ia parar por ai, esse policial estava me olhando de um jeito muito sacana, e o Álvaro sempre com essa mania de resolver tudo com o dinheiro! Teve até uma vez que não queria dar minha bundinha e ele me ofereceu um excelente presente em troca da minha “liberação”, é mole?
Para acabar de ferrar tudo, ele ainda iniciou um bate boca com o policial.
– Levanta as mãos moleque! Tá preso por desacato à autoridade!
Sai do carro as pressas, nem percebi que ainda estava com parte da blusa desabotoada, deixando parte de um seio à mostra…
– Calma policial, por favor, não leve em consideração o que ele disse.
– Pow Álvaro, tá vendo o que vc fez? Tá satisfeito agora?
– Sem chororô, vamos lá pra dentro agora!!!
“Lá dentro” era um pequeno posto policial de beira de estrada. Havia dois policiais lá fora fazendo a blitz e outro ficava no posto, vendo tudo o que se passava na estrada. Ao contrário do policial que nos abordou que era um moreno baixinho muito desinteressante, esse era um negro maravilhoso, alto, forte, braços malhados, lábios carnudos, olhos verdes… Ele transpirava masculinidade. Por um momento esqueci de tudo, fiquei hipnotizada e muito excitada também. O que nos trouxe, nos sentou bruscamente em umas cadeiras.
– O casalzinho andou aprontando, Pereira? Perguntou o negão para o seu amigo.
– Nada que a gente não resolva da melhor maneira, Machado.
Álvaro se levantou e quando já ia começar a falar, justificar para o outro policial, rapidamente o baixinho o fez sentar novamente.
– Moleque! Você não acha que já falou de mais e só se complicou? Vamos tentar mudar a tática?
Nisso ele se virou para mim.
– Que tal você fechar um pouco sua boca e deixar que a gatinha aqui abra a dela, hen?
Ele disse isso passando o cacete no meu decote desabotoado e subindo com ele até a minha boca!
Álvaro se levantou na tentativa de me defender, mas logo tomou uma cacetada na perna. Na verdade ele não tinha muito que fazer, estava ali todo errado, coberto de acusações e com dois policiais cheios de “más intenções”. O Machado, ficava quieto só observando a cena e imaginando o que tinha por vir com um olhar bem cretino e um sorrisinho malicioso no canto da boca. Passado o susto de início, tentei ser o mais prática e direta possível, não via a hora de acabar com aquela situação.
– Álvaro, meu amor, fica quietinho. Quero ir logo para casa e do jeito que as coisas estão, não vejo isso acontecer tão cedo e ainda corre o risco de piorar se eles perderem a paciência de vez. Bom, o senhor disse se eu abrir a boca posso ajudar, do que estava falando?
– Nada do que você já não esteja cansada de fazer, docinho…Alias a pouco tempo atrás você estava fazendo dento do carro, não vai negar porque nem adianta. Trabalhando a noite na estrada, já vi de tudo e mais um pouco nessa vida.
– Ok, somos todos adultos e não vejo porque não colocarmos tudo às claras. Você quer que eu pague um boquete para nos liberarem, né?
– Um não, gostosa, e o meu colega de trabalho aqui, como fica? E tem mais, o corninho tem que assistir de camarote!!!
– Bia, não “to” acreditando que vc vai aceitar isso! Álvaro disse isso me olhando incrédulo.
– Ah Álvaro, pára de graça que foi vc mesmo que nos meteu nisso. E também não vai tirar pedaço de ninguém né? Pode deixar meu amor, vou fechar os olhos e pensar q é seu pau q esta na minha boca.
E lá fomos nós 4 para uma pequena cela nos fundos…
Eles algemaram o Álvaro na cadeira e o deixou afastado em um canto, depois ficaram de frente um para o outro comigo no meio deles, de joelhos no chão… Sem mais conversa, tiraram suas rolas enormes para fora, batendo com elas na minha cara!!! Já estavam super duras, enormes e grossas, a do negão então! Fiquei até espantada, e agradeci por ser só um boquete, aquela rola dentro de mim faria estragos (mal sabia o que me aguardava). Mas não podia negar que estava ficando excitada com aquilo tudo.
O PM que nos parou (Pereira) foi o primeiro a ser chupado, como disse ele não era lá um gostosão, mas sua rola era uma delícia!!! Ele me agarrou pelos cabelos e me colocou de cara para a pica dele.
– Olha aqui, devassa! Olha a tua rola, tu vai chupar até o talo, até engolir as bolas junto. Não faz essa carinha de “não to afim” não. Aceitou rapidinho a proposta né? Tu tá é doidinha pra chupar rola diferente mesmo! Vai, começa logo o serviço e tem que ser bem feito hen!
Pereira descobriu logo o meu ponto fraco: me deu uma surra de piru na cara! Batia com sua rola de um lado para o outro no meu rosto. Nossa como eu fico louca com isso! Perco a linha! Depois ele pegou a minha cabeça e a colocou na sua virilha, ficou me guiando, mas logo percebeu que eu estava gostando da brincadeira e me deixou por conta própria. Comecei a lamber, chupar o saco dele com dedicação enquanto minhas mãos tocavam uma punheta gostosa naquela pica enorme até partir para o ataque de vez, abocanhando até o talo, como ele me ordenou.
– Tá vendo Machado? A putinha é profissionall! Olha como chupa bem essa safada! Ahhhh que delícia!
– To vendo irmão. Fode gostoso a boca dela que não vejo a hora de chegar a minha vez.
Só que o Machado, não agüentou esperar a sua vez por muito tempo. O filho da p… do negão gostoso se abaixou e começou a brincar comigo. Puxou os meus cabelos longos para cima com força e começou a morder e lamber minha nuca descendo pelas costas até chegar na minha bunda. Lá ele ficava dando mordidinhas, tapas e pincelava a rola. Puts! Comecei a chupar com muito mais vontade, acelerava as chupadas, rodava com minha língua por todo aquele pau, massageando tb o saco, até que não me agüentei de tesão e parti para o negão! O moreno nem reclamou, meteu dois dedos na minha xana e começou a me chupar. Acho que nunca chupei uma pica com tanto gosto na minha vida! Que coisa monstruosa! Estava chupando com tanta vontade, que acabei fazendo o negão perder a linha…
– Sua cadela, onde vc aprendeu a chupar assim hen??? Tá me matando de tesão, não estou agüentando, tenho que comer a sua xana para ver se é gostosa como sua boquinha!
– Não, nem pense nisso! O trato não foi esse! Eu gritei.
Não adiantou contestar. Rapidamente Machado me levantou segurando minhas mãos juntas, me virou de costas, e me algemou na cela, me deixando totalmente à sua disposição. Como estava de saia, não foi difícil ele me despir de uma vez, puxando-a para baixo e rasgando minha calcinha com suas próprias mãos.
– Me larga! Seu tarado covarde, vou dar queixa de vc!!!
– Agora o que vc vai dar gostoso é sua xana, cadelinha!!!
Disso isso e já foi metendo de uma só vez sua rola dentro de mim! Cheguei até ver estrelas de tanta dor. Me revirava, na tentativa inútil de me soltar!! Estava completamente indefesa, com as mãos algemadas para cima, a saia arriada no chão, de costas, quase que de quatro para ele…
– Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, seu animal!!!
– Isso safada, xinga vaiiii isso me deixa mais excitado! Ahhhh gostosa, issoooo, tenta sair da minha rola, vc não vai conseguir, só sai daqui quando me fizer gozar gostoso, hj vc é nossa putinha! Vem Pereira tá esperando o que? Vamos arregaçar essa cadelinha de todas as formas.
Pereira estava batendo uma punheta vendo aquela cena quando foi chamado para participar. Álvaro já estava cansado de tentar se soltar e também estava com a boca tampada.
Machado trocou de posição para dar lugar ao amigo. Saiu de trás de mim, e veio para frente, se meteu entre minhas mãos algemadas, se abaixou um pouco, agarrou a minha cintura e não teve nenhuma dificuldade em meter sua tora de novo que devido o tamanho, a posição não atrapalhou em nada! Ficou assim, cara a cara comigo, metendo na minha xana.
Pereira rapidamente saiu e voltou com o pau lambuzado de margarina. Chegou já mirando no meu cuzinho, e foi enterrando com vontade. Eu já estava totalmente inebriada com aquele negão na minha frente, me bombando com uma enorme cara de prazer. Seus braços fortes agarrando minha cintura e me puxando de encontro a ele, o servindo, saciando suas vontades, isso me deixava mais louca ainda. E o Pereira atrás, se deliciando com o meu cu. Enquanto um me puxava para meter na frente, o outro me puxava para meter atrás. Nossa, não imaginava que dupla penetração fosse tão gostoso assim. Comecei a rebolar e gemer feito louca. Não demorei nada para gozar, alias, gozei 1, 2, 3…vezes. O Álvaro arregalou os olhos, acho que incrédulo com a cena e com de raiva tb, claro. Mas eu já nem me importava com sua presença e passei a saborear cada minuto daquele sexo selvagem.
– Ah gostosaaaa… isso rebola mais pros teus machos, tá conhecendo homem de verdade né? Rebola que já vou gozar, delíciaaaa!!! Como estão as coisas ai atrás Pereira?
– Nunca comi um cu tão gostoso na minha vida, “to” quase gozando tb, Machado.
Os dois gozaram juntos! Fui invadida de porra por todos os lados. E claro que vendo o prazer que estava dando aos dois machos, não agüentei e gozei mais uma vez tb. No fim estava totalmente cansada, arrasada, mas com certeza valeu muito a pena!
O Álvaro ainda quis me comer quando chegamos em casa. Disse que ficou muito chateado na hora, mas que depois ficou cheio de tesão também.
Agora sempre que passo com meu carro nesse posto policial, faço questão de esconder a carteira de habilitação e dizer que esqueci em casa. E é claro que nem o Pereira e nem o Machado, deixam passar né? Tenho que cumprir a lei para eles me liberarem, só que a lei deles…rs
Bjux e chupada gostosa para todos!

Sexo por Telefone

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.